Economia

Não é trivial dizer que houve desaceleração no varejo, avalia IBGE

Apesar do efeito negativo da inflação de alimentos sobre o movimento nos supermercados, que seguraram o crescimento das vendas do varejo em setembro ante agosto, o gerente da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Cristiano Santos, destacou a importância da renovação de recordes sucessivos no comércio varejista, em meio à pandemia de covid-19, para explicar a moderação no ritmo do desempenho.

Em setembro, a alta nas vendas foi de 0,6%, abaixo dos 3,1% registrados em agosto ante julho, informou o IBGE nesta quarta-feira, 11.

Apesar de mais moderada, foi a quinta alta seguida nessa base de comparação, renovando o nível da atividade do varejo restrito – que considera oito segmentos, excluindo veículos e material de construção. É a mais longa sequência positiva desde 2013, quando as vendas do varejo restrito avançaram seis meses seguidos entre março e setembro, segundo Isabella Nunes, analista do IBGE.

“Não é trivial dizer que houve desaceleração”, afirmou Santos.

No cenário traçado pelo pesquisador do IBGE, após uma “queda vertiginosa” no início da pandemia de covid-19, em março (-2,5%) e abril (-16,6%), as vendas do varejo experimentaram uma recuperação muito forte com a sequência de cinco altas, algo incomum. Para Santos, o próprio desempenho da economia como um todo não seria condizente com a continuidade de taxas elevadas no crescimento das vendas.


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

Com a recuperação entre maio e setembro, o nível de atividade do varejo restrito, além de ser recorde na série histórica da PMC, iniciada em 2004, já está 7,7% acima do nível de fevereiro, antes de a covid-19 se abater sobre a economia.

Ainda assim, Santos chamou a atenção para o fato de esse movimento ser concentrado. No varejo restrito, quatro dos oito segmentos investigados na PMC estão acima do nível de vendas de fevereiro: Móveis e eletrodomésticos (24,0% acima de fevereiro), Outros artigos de uso pessoal e doméstico (22,3% acima), Artigos farmacêuticos (6,9% acima) e Hipermercados e supermercados (5,4% acima).

Quando se considera o varejo ampliado, cinco dos dez segmentos estão acima do nível de vendas de fevereiro, por causa do desempenho do setor de Material de construção (22,3% acima). Nos cinco segmentos que ainda não anularam as perdas com a pandemia, os destaques são o setor de Livros, jornais, revistas e papelaria (com nível de vendas 37,2% abaixo de fevereiro), Tecidos, vestuário e calçados (10,3% abaixo) e Automóveis, motos, partes e peças (9,3% abaixo).

Veja também

+ Boletim médico de apresentador da RedeTV! indica novo sangramento no cérebro
+ 6 fotos em que o design de interiores do banheiro foi um fracasso total. Confira!
+ Ex-jogadora de futebol, Madelene Wright, começa a vender fotos sensuais após ser demitida do time
+Iveco fornecerá 1.048 caminhões blindados 8×8 ao Exército Alemão
+ Cientista desvenda mistério do monstro do Lago Ness. Descubra!
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel