Não é mais negacionismo; é método! Bolsonaro quer incendiar o Brasil

Não é mais negacionismo; é método! Bolsonaro quer incendiar o Brasil

Manifestantes ergueram um inflável contra o presidente Jair Bolsonaro em frente à Anvisa em 17 de janeiro de 2021 - AFP


Bolsonaro, o verdugo do Planalto, voltou a criticar o isolamento social e a jogar a população contra prefeitos e governadores. Resta claro e evidente que o plano maldito desse psicopata é criar um clima cada vez mais tenso entre a sociedade civil e as autoridades, como também dentre a própria população, contra e a favor, do devoto da cloroquina.

O amigão do Queiroz, ao que parece, aposta todas as fichas na cisão hostil dos brasileiros e num esperado desarranjo social, com vias a um tipo de intervenção que só Deus e o capiroto sabem onde pode parar. O papis do senador das rachadinhas, e da mansão de 6 milhões de reais, crê piamente que encontrará apoio nas Forças Armadas para um autogolpe.

Particularmente, não perco um minuto do meu sono com medo disso. Não da tentativa e de todo o caos que isso significará se de fato ocorrer, pois acho perfeitamente viável tamanha aventura advinda de um lunático desta estirpe, mas do sucesso da empreitada golpista. Não é minimamente razoável crer que militares se rebaixem a um tipo como Jair Bolsonaro.

Não há mais sentido algum na sanha homicida deste pulha, senão minha tese acima. Não há ignorância, negacionismo e incompetência que não cessem diante de todas as evidências e de toda a pressão, nacional e internacional, em prol das devidas medidas sanitárias. Aliás, fica claro também, o porquê de toda a sabotagem contra as vacinas. Quanto pior, melhor.

As manifestações ocorridas nesta sexta-feira (05) no Paraguai, onde a população saiu às ruas pedindo a renúncia do presidente e exigindo a troca do ministro da Saúde, o que já ocorreu, dá a exata medida do que talvez pretenda o marido da receptora de cheques de milicianos. Bolsonaro semeia o conflito como forma de fazer valer sua índole tirana e cruel.


+ Mulher é presa por não devolver R$ 6,8 milhões que recebeu por engano
+ Família de Schumacher coloca mansão à venda por R$ 400 milhões
+ Pentágono confirma que vídeo com OVNIs em forma de pirâmide é autêntico



O maníaco do tratamento precoce já levou uma bela invertida ano passado, quando a prisão de um tal Fabrício Queiroz, até então mocado no cafofo do advogado presidencial, enterrou as pretensões de golpe do abestado. Tudo o mais constante, um novo “cala-boca” se fará necessário para colocar o bilontra no lugar. Quem tem mansão de R$ 6 milhões, tem medo.

Veja também

+ Receita de bolinho de costela com cachaça
+ Cientistas descobrem nova camada no interior da Terra
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Receita de moqueca de peixe simples e deliciosa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS


Sobre o autor

Ricardo Kertzman é blogueiro, colunista e contestador por natureza. Reza a lenda que, ao nascer, antes mesmo de chorar, reclamou do hospital, brigou com o obstetra e discutiu com a mãe. Seu temperamento impulsivo só não é maior que seu imenso bom coração.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.