Geral

‘Na viagem, descobri o que queria fazer’

No meio da savana sul-africana, Victor Castanho, de 18 anos, só confirmou o que sempre soube: deseja ser pesquisador. Foi lá que, durante uma expedição científica, o estudante viu que o que ele já fazia desde criança de forma quase intuitiva se aproximava do que chamamos de ciência.

“Na África, a gente andava de carro, via animais e anotava as coordenadas geográficas, a espécie, a quantidade de indivíduos. Isso eu fazia no meu condomínio”, conta o jovem.

“Sou um bird-watcher (observador de aves). Quando descobri que tínhamos de fazer exatamente isso na África, fiquei maluco”, lembra o estudante, que participou da Operation Wallacea no ano passado, quando cursava o terceiro ano do ensino médio no Colégio Rio Branco.

A experiência mudou sua trajetória. De volta ao Brasil após a expedição, Castanho agora se prepara para uma nova viagem – dessa vez mais longa: estudará Biologia na Universidade Columbia, nos Estados Unidos, a partir de setembro.

“Vi que esse trabalho tem um impacto muito forte. Vou poder viajar o mundo, ajudar diferentes culturas. Quero ser um pesquisador, mas ter contato com a população, mudar de fato as coisas”, diz ele. Ele acredita que a experiência científica ajudou no processo de admissão na universidade americana. As instituições no exterior valorizam o engajamento de estudantes em atividades de pesquisa e projetos internacionais.


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

Marinha. O estudante Gabriel Grellet, de 18 anos, descreve uma expedição que fez com colegas e professores do Colégio Poliedro ao Alasca em 2016 como “a viagem de sua vida”. E não é para menos. Foi lá que ele teve certeza do que queria fazer: divulgação científica.

Fã de documentários como os da National Geographic, ele se sentiu dentro de um deles quando, há dois anos, fez uma espécie de cruzeiro pelo Estado americano. Não demorou para que o estereótipo de “gelo sem fim” do Alasca desse lugar à admiração pela exuberância. “Acordávamos 5h30 com um espetáculo. Era só chegar cedo, ficar no deck do barco e observar. Em dias de sorte, vimos oito, dez baleias”, lembra.

Em trilhas no meio da tundra, vegetação típica da região, alunos debatiam questões climáticas e lembravam conceitos como reprodução de plantas e composição do solo. Também conversavam com a comunidade local. “Além de me mostrar o campo que quero seguir, esse tipo de viagem cria empatia. Ficou mais fácil aprender”, diz ele, hoje aluno de Biologia Marinha na Universidade Estadual Paulista (Unesp). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Boletim médico de apresentador da RedeTV! indica novo sangramento no cérebro
+ Yamaha se despede da SR 400 após 43 anos de produção
+ Cientista desvenda mistério do monstro do Lago Ness. Descubra!
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel