Depois de ver um de seus principais executivos entrar na mira da CPI e da Polícia Federal na investigação dos atos antidemocráticos, a Paper Excellence decidiu fechar posição contra o governo de Lula da Silva. O melhor amigo de Claudio Cotrim, presidente da empresa indonésia no Brasil, é um político nada bem-vindo no Planalto: João Doria Jr.

O ex-governador de São Paulo foi aliado de primeira hora de Bolsonaro e catapultou sua carreira política com base em críticas ferrenhas a Lula. Em declarações públicas, Doria já chamou o presidente de facínora, ladrão, sem-vergonha, mentiroso e cara de pau.

João Doria faz parte de um time montado pela Paper para apoiá-la na disputa que trava pela Eldorado Brasil Celulose contra a brasileira J&F Investimentos, de Wesley e Joesley Batista. O consultor jurídico da estrangeira na briga é ninguém menos que Michel Temer, algoz de Dilma.

O estreitamento da relação com Doria se dá exatamente no momento em que a empresa está mais associada ao bolsonarismo, devido às investigações sobre o 8 de Janeiro. O número 2 de Cotrim, Josmar Verillo, deixou a empresa depois do pedido de convocação para que ele deponha na CPI sobre o financiamento e o apoio aos atos antidemocráticos. Especula-se sobre a situação da investigação contra ele pela Polícia Federal pelos mesmos fatos.

A relação da Paper Excellence com o bolsonarismo também é antiga. O dono da empresa, Jackson Widjaja, recebeu Eduardo Bolsonaro na sede do grupo empresarial de sua família, o Sinar Mas, em Jacarta, em 2019. O deputado postou fotos do encontro apoiando a Paper Excellence e segurando um cheque cenográfico simbolizando os investimentos que a empresa prometia fazer no Brasil. Meses antes, a mesma cena havia sido fotografada com Jackson ao lado do então vice-presidente Hamilton Mourão, em Xangai.

Assine nossa newsletter:

Inscreva-se nas nossas newsletters e receba as principais notícias do dia em seu e-mail

Siga a IstoÉ no Google News e receba alertas sobre as principais notícias