Geral

Mundo tem mais de 720 mil mortos por covid-19

O avanço do novo coronavírus já deixou mais de 723 mil mortos em todo o planeta e uma a cada sete vítimas da doença é brasileira. De acordo com a Universidade Johns Hopkins, foram 723.693 mortes até este sábado, 8. O Brasil já contabiliza 100 mil óbitos em menos de cinco meses de pandemia.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

Com pouco mais de 100 mil vidas perdidas, o número de mortos no Brasil representa uma fatia de 13.8% dos óbitos ocorridos desde o início da doença em todo planeta. O País é o segundo com mais casos e mais mortes de covid-19 no mundo. Só perde para os Estados Unidos, que somam com 162 mil óbitos, de acordo com a Johns Hopkins. O terceiro país mais afetado é o México, com 51 mil mortes em decorrência do novo coronavírus. Os três juntos são responsáveis por quase metade de todas as mortes registradas no planeta.

A epidemia está longe do fim – e nada indica que o ritmo de mortes está desacelerando.

Em 10 de maio, quando o mundo atingiu 100 mil mortes em decorrência do novo coronavírus, o Brasil, ainda no começo da pandemia, somava 1.056 óbitos pela doença. O que representava, à época, 1% das vítimas no mundo. Após 15 dias, quando o mundo dobrou a marca e ultrapassou 200 mil mortos pela doença, o País contabilizava pouco mais de 4 mil óbitos pela covid-19, alcançando 2% das mortes acumuladas pela doença.

Como o Estadão mostrou, com novos casos se alastrando pelo interior, duas a cada três cidades brasileiras já perderam alguém para a covid-19. Médicos e cientistas de diferentes regiões do País afirmam que, para conter o avanço da doença, é preciso que as ações tenham como base um tripé: identificação e monitoramento precoce dos casos; etiqueta respiratória e cuidados pessoais; isolamento social, ou até lockdown, principalmente nos locais com alta transmissão.

O Brasil chegou à marca de 1 milhão de casos registrados em 19 de junho, 114 dias após o primeiro caso, em 26 de fevereiro. O número de infectados dobrou depois em apenas 27 dias, quando o País chegou a 2 milhões de contaminados. A marca de 2,5 milhões veio apenas 10 dias depois e agora ultrapassa a barreira dos 3 milhões de casos em 9 dias. Se o País demorou 141 dias desde o primeiro caso para atingir a marca de 1,5 milhões de contaminados em 2 de julho, 37 dias foram suficientes para o número dobrar e chegar a três milhões de casos. Isso sem contar que o Brasil é um país que testa pouco a sua população, ou seja, os números podem ser muito maiores que os registrados.

O Brasil registrou uma média móvel diária de 990 pessoas mortas por causa da covid-19, no sábado, 8. Esse número tem se mantido na casa dos mil ou acima de mil, desde o final do mês de maio, segundo dados do consórcio de veículos da imprensa, junto às secretarias estaduais de saúde, que reúne Estadão, G1, O Globo, Extra, Folha e UOL.

O mundo também ultrapassou no sábado, 8, a marca de 19,4 milhões de pessoas contaminadas pela covid-19, e registrou um pouco mais de 284 mil novas infecções em apenas 24 horas, segundo a OMS.

Autoridades e instituições de saúde mundiais, no entanto, alertam que os números reais devem ser maiores em razão da falta de testagem em larga escala e da subnotificação em alguns países.

Veja também

+Após ficar internada, mulher descobre traição da mãe com seu marido: ‘Agora estão casados’

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea