Mundo

Multiplicam-se as iniciativas da sociedade civil contra Bolsonaro

Multiplicam-se as iniciativas da sociedade civil contra Bolsonaro

Torcedor de futebol em protesto contra o presidente Jair Bolsonaro na Avenida Paulista em São Paulo, Brasil, em 31 de maio de 2020 - AFP

As iniciativas da sociedade civil “em defesa da democracia” se multiplicam pelo Brasil, em resposta aos pedidos de “intervenção militar” de partidários do presidente Jair Bolsonaro e aos seus embates com o Supremo Tribunal Federal e o Congresso.

A polarização acontece em meio a um clima de alta tensão por causa das críticas de Bolsonaro aos governadores que são favoráveis às medidas de quarentena para enfrentar a pandemia do novo coronavírus, que já deixou mais de 32.000 mortos no país.

Essa profusão de iniciativas ocorre em meio às manifestações “antifascistas”, convocadas por grupos de torcedores dos principais clubes de futebol do país.

Entre os signatários estão personalidades políticas que passam pelo posicionamento de centro, direita e esquerda, além de artistas, jornalistas, juristas, cientistas e especialistas de todas as áreas.

Há também notórios ausentes, como o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Suilva, que questionou que as demandas ignoram as críticas ao programa ultraliberal do governo e os retrocessos dos direitos trabalhistas.

Confirma algumas das principais iniciativas:

– Movimento Estamos Juntos: lançado no sábado passado, com um manifesto “em busca de um bem comum”, já recebeu mais de 276.000 assinaturas. Entre os signatários estão o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o cantor e compositor Caetano Veloso, o escritor Paulo Coelho e o ex-candidato à presidência Fernando Haddad (PT).

Eles afirmam representar “a maioria dos brasileiros que apoiam a independência dos poderes” e exigem uma resposta dos líderes políticos “diante da devastadora crise política, econômica e sanitária pela qual o país está passando”.

– “#Somos70porcento”: campanha lançada com a hashtag nas redes sociais pelo economista e escritor Eduardo Moreira, com base em dados de pesquisas de opinião que mostram que quem avalia o governo como “péssimo”, “ruim” ou “regular” representa 70% da população.

“Curioso como nós, os 70% que rejeitamos esse governo anti-democrático, nos sentirmos como se fôssemos minoria e dar tanto peso aos 30% que eram minoria”, explicou Moreira.

– Basta!: Movimento apoiado por centenas de advogados e juristas que afirmam, em seu manifesto, que “o Brasil, suas instituições e seu povo não podem continuar sendo atacados” por um presidente que atenta “contra os poderes Legislativo e Judiciário, contra o Estado de Direito e contra a saúde dos brasileiros”.

Por outro lado, surgiram iniciativas contra a discriminação racial, como o “Seja Antirracista”, inspirado nos protestos que abalam os Estados Unidos após o assassinato do cidadão negro George Floyd por um policial branco, em Minneapolis.

Veja também

+ Entenda como a fase crítica da pandemia de Covid-19 pode ter sido superada em SP
+ Fundador da Ricardo Eletro e filha são presos em operação contra sonegação
+ Fotos íntimas de apresentadora italiana são vazadas em aplicativos de mensagens no Brasil
+ A “primavera das bikes” pós-pandemia vai chegar ao Brasil?
+ Conheça os quatro tipos de carros híbridos e suas diferenças
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior