Esportes

Mulheres garantem ao Brasil recorde de ouros e medalhas em Jogos Papan-americanos

As mulheres da delegação brasileira foram as premiadas nos Jogos de Lima, no Peru, por levar o Brasil ao recorde de medalhas e também ao número de ouros em Parapan-americanos. Logo pela manhã, a nadadora Cecília Araújo venceu os 100 metros livre classe S8 e deixou o País com 258 pódios na capital peruana.

A marca dourada não demorou a sair. A responsável por garantir ao Brasil 110 vitórias na competição foi curiosamente a caçula da delegação, Mikaela Almeida, do badminton, de apenas 16 anos. A jogadora venceu os quatro jogos que disputou da classe SU5 e ficou com o ouro. A vitória que garantiu a medalha foi em cima da peruana Laura Puntriano por 2 sets a 0, com parciais de 21/3 e 21/4.

Até então o melhor desempenho do Brasil em Parapans foi em Toronto-2015 com 257 pódios, sendo 109 ouros, 74 pratas e 74 bronzes. O número de conquistas em Lima ainda deve aumentar, já que as competições terminam apenas neste domingo. Certo apenas é que esta já é a melhor campanha do País em um evento como este e que a hegemonia no quadro de medalhas está mantida.

+ “Filho é um inferno e atrapalha”, diz Fábio Porchat sobre não querer ser pai

Conforme esperado, a delegação brasileira sobrou em Lima e atualmente tem o dobro de medalhas do que os Estados Unidos, o segundo colocado. Vale lembrar que os norte-americanos em muitas modalidades preservam os principais atletas, pois têm como prioridades as competições mundiais e a Paralimpíada.

AS PREMIADAS – Cecília, de 21 anos, é de Natal, no Rio Grande do Norte, e nasceu com paralisia cerebral. Em Lima, ela subiu ao pódio por seis vezes. Ela já havia faturado três ouros (400 metros livre, 100 metros borboleta e 50 metros livre, uma prata (4×100 metros medley) e um bronze (100 metros costas). Em Toronto-2015, sua estreia em Parapan, ela garantiu dois bronzes.

“Felicidade imensa em saber disso. Estava presente em Toronto também e foi uma grande festa. Agora saber que com a minha medalha ultrapassou é muito legal. E vai vir mais por aí. Vamos para cima”, disse.

+ Polícia aborda ambulância com sirene ligada e descobre 1,5 tonelada de maconha

Mikaela nasceu sem o braço direito e começou a praticar badminton com 13 anos nas aulas de educação física em Manaus, no Amazonas. Logo após a sua primeira conquista em Parapan, ela ainda estava um pouco atordoada, como se a ficha pela conquista ainda não tivesse caído.

“Para começo de tudo nunca me imaginei em um evento como esse, imagina então conquistar a medalha de ouro. Fico muito feliz. Quando eu vi que ganhei comecei a chorar. Fico muito feliz e emocionada por ter conquistado isso. Às vezes não tenho noção, parece um sonho. Conquistei o recorde e agradeço a muitas pessoas que me apoiaram”, comentou a atleta.

Os números até aqui confirmam o prognóstico do presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), Mizael Conrado, que projetou antes do início da competição faturar mais de 100 ouros. Vale lembrar que o País levou para Lima uma delegação recorde de 337 atletas.

Veja também

+ A incrível história do judeu que trabalhou para os nazistas na Grécia

+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por desconto de até 50% na parcela

+ Novo Código de Trânsito é aprovado; veja o que mudou

+Jovem é atropelado 2 vezes ao tentar separar briga de casal em Londrina; veja o vídeo

+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

+Vídeo mostra puma perseguindo um corredor em trilha nos EUA

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea