Ediçao Da Semana

Nº 2741 - 05/08/22 Leia mais

Por David Morgan e David Lawder

WASHINGTON (Reuters) – Lideranças femininas do Partido Democrata pediram neste domingo que o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e o Congresso norte-americano protejam os direitos ao aborto em âmbito nacional, após a Suprema Corte do país reverter a histórica decisão Roe vs. Wade, em um passo que aumentou as tensões políticas entre governo federal e Estados.

Duas democratas progressistas, a senadora Elizabeth Warren e a deputada Alexandria Ocasio-Cortez, pediram que Biden utilize terrenos federais como um local seguro para a prática em Estados que proíbam ou restrinjam gravemente a prática, após o mais alto tribunal do país reverter na sexta-feira a decisão de 1973 que reconhecia o direito constitucional das mulheres ao aborto.

“Forçar mulheres a manter uma gravidez contra sua vontade, pode matá-las”, disse Ocasio-Cortez ao programa do canal NBC Meet the Press. 

A candidata democrata ao governo da Geórgia, Stacey Abrams, pediu que os democratas no Congresso transformem Roe vs. Wade em lei, deixando de lado a regra de obstrução do Senado dos EUA que permitiu que os republicanos impedissem a iniciativa no mês passado.

“Nós sabemos que o direito de escolher não deveria ser repartido entre Estados, e que a prática sinistra de retirar os direitos constitucionais e permitir que cada Estado decida a qualidade da sua cidadania é errada”, disse Abrams na CNN.

“Eu rejeito a ideia de que essa é a vontade do povo”, disse ela em entrevista separada na Fox News.