Esportes

Mulheres ao mar: remadoras promovem 1ª edição do Travessia Rio-Paraty

Evento esportivo com mulheres que irão percorrer 180 quilômetros a bordo de canoa polinésia e veleiro

Mulheres ao mar: remadoras promovem 1ª edição do Travessia Rio-Paraty

Grandes transformações começam com grandes exemplos. Cientes da importância de se criar referências que inspirem outras mulheres, um grupo de remadoras resolveu promover uma travessia para reforçar a capacidade de realização feminina. A iniciativa, que conta com apoio da Copra, empresa pioneira e referência na produção de Óleo de Coco Extravirgem no Brasil, vai reunir 12 mulheres a partir de 2 de fevereiro. Juntas, elas irão percorrer os 180 quilômetros que separam as cidades do Rio de Janeiro e Paraty a bordo de uma canoa polinésia e de um veleiro, que oferecerá suporte para o revezamento das participantes.


O projeto, intitulado Travessia Rio-Paraty, é promovido pela VagaLume Va’a, associação de remadoras com sede na Marina da Glória que desde 2015 busca criar oportunidades e estimular hábitos saudáveis entre seus membros.
“A ideia por trás do evento é quebrar o paradigma de que mulheres acima dos 40 não têm capacidade física ou não gostam de vencer desafios. Reunimos um grupo de amantes do mar e praticantes da canoagem, mas que não necessariamente são atletas profissionais, para tentar mostrar que qualquer uma, independentemente da faixa etária, é capaz de grandes realizações”, afirma Giselle Banjar, uma das fundadoras do projeto campeã Brasileira e PanAmericana 2019 (longa distância), Estadual, Brasileira e Sul Americana 2018 e vice-campeã Brasileira 2020 na categoria M40 (longa distância).

Dentre as participantes estará Elisa Mirow, praticante de vela desde a década de 1970, a atleta é uma das primeiras mulheres a comandar uma tripulação em grandes competições nacionais como a Regata Santos-Rio, uma das mais tradicionais e desafiadoras do país. Em meados de 2021, Elisa conheceu a canoa polinésia e também se tornou uma das entusiastas da modalidade entre o público feminino.

“O retorno nas mídias sociais é sempre muito positivo e mostra a importância de se criar exemplos. Várias mulheres contam que fizeram o curso de vela após me ver, com apenas 56 quilos e 1,65m, comandar uma embarcação. Hoje, temos as bicampeãs olímpicas Martine Grael e a Kahena Kunze, que são uma inspiração enorme para as meninas mais novas. Eu já pego o nicho das mulheres maduras, não tiveram oportunidade antes, mas descobrem que mesmo agora é possível ir atrás dos seus sonhos”, revela.

E foi justamente com esse objetivo de inspirar que as organizadoras da travessia optaram por reunir pessoas que já fazem a diferença em suas áreas e apoiam outras mulheres. Assim, o time incluirá desde a medalhista olímpica Isabel Swan, bronze em Pequim 2008, até médicas, ambientalistas e artistas.
“A partir do momento que você começa a ter referências, passa a acreditar na possibilidade de fazer qualquer tipo de coisa. Queremos mostrar o poder que o feminino tem, abrir caminhos e possibilitar que outras mulheres se enxerguem dentro desse perfil e comecem a desenvolver suas potencialidades e a dar força umas às outras para atingir grandes feitos”, acrescenta Giselle.

Sobre a Travessia
Programada para uma janela entre os dias 2 e 10 de fevereiro, a depender das condições climáticas, a Travessia Rio-Paraty unirá duas modalidades náuticas: a vela oceânica e a canoa polinésia. As participantes, todas mulheres entre 38 e 60 anos, irão partir da Marina da Glória e percorrer 180 quilômetros até Paraty em duas etapas, remando 100 deles no primeiro dia e os outros 80 no segundo. A travessia será no formato de revezamento, com as participantes alternando entre as embarcações ao longo da jornada.