Geral

Mulher morre ao tentar proteger o filho de 3 anos durante tiroteio no Rio

Crédito: Reprodução/ TV Globo

Pelo menos duas pessoas morreram desde o início da noite dessa quarta-feira, 26, quando começou um conflito entre facções rivais no morro de São Carlos, no Rio Comprido, bairro da zona norte do Rio. Entre as vítimas está uma mulher de 25 anos, que foi atingida por disparos dentro de um carro ao tentar proteger o filho de três anos.

Um suspeito também foi morto após troca de tiros com a polícia. Ele chegou a invadir um condomínio e fez uma família refém – o sequestro acabou por volta de 7h da manhã desta quinta-feira, após intervenção do Batalhão de Operações Especiais (Bope). Além dele, dois comparsas foram feridos.

Ainda durante a madrugada, policiais militares entraram em confronto com criminosos armados na Rua Aristides Lobo, no Rio Comprido. Segundo a PM, três suspeitos foram feridos. Na ação, os policiais apreenderam dois fuzis, uma pistola, munições e uma granada.

O conflito entre facções começou na quarta-feira. À tarde, uma perseguição policial com troca de tiros na região da Lagoa, na zona sul, levou pânico a moradores. Após a prisão dos criminosos, PMs apreenderam uma arma, carregadores de fuzil e de pistola, drogas e outros materiais. Os suspeitos integrariam uma facção na favela da Rocinha, e a suspeita é de que estavam a caminho do Morro do São Carlos.

Veja também

+ Confira 4 dicas para descobrir se o mel é falsificado

+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"

+ MG: Pastor é preso por crime sexual e alega que caiu em tentação

+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por desconto de até 50% na parcela

+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

+Vídeo mostra puma perseguindo um corredor em trilha nos EUA

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar