O ex-presidente uruguaio José Mujica “está bem” após concluir as sessões de radioterapia para tratar um câncer de esôfago diagnosticado no início de maio, informou nesta sexta-feira (21) sua médica pessoal.

A doutora Raquel Pannone disse que o ex-presidente de 89 anos, um ex-guerrilheiro que governou o Uruguai de 2010 a 2015 e continua ativo na vida política, “está melhorando dia a dia”.

“Ele está bem, está se recuperando. O tratamento é muito agressivo por si só e isso causa alguns efeitos colaterais, mas ele tem suportado muito bem e está se recuperando, vocês veem que ele está em diferentes atividades”, afirmou Raquel à rádio Sarandí.

Pannone disse que havia o temor de que Mujica não conseguisse suportar a radioterapia devido à idade avançada e aos quadros de vasculite e insuficiência renal que também enfrenta.

“Mas sem dúvida”, destacou, “ele tem muita força, física e mental, o que permitiu que ele completasse todo o tratamento sem maiores dificuldades”.

Agora resta apenas “esperar, com tranquilidade, sem ansiedade, para que ele continue se recuperando e em alguns meses, não antes, planejamos reavaliá-lo para ver as repercussões e o efeito do tratamento, que teve o objetivo de curá-lo”, acrescentou Pannone.

Mujica, um ícone da esquerda dentro e fora do Uruguai, rebelou-se contra governos democráticos nas décadas de 1960 e 1970 e passou 12 anos na prisão, a maior parte durante a ditadura civil-militar (1973-1985), enfrentando condições severas.

Apesar do tratamento contra o câncer, Mujica participou em 20 de maio da marcha anual em busca da verdade e justiça pelos desaparecidos durante o regime repressivo.

Dois dias depois, ao comparecer a outro evento público, ele disse estar “cansado”, mas brincou com os jornalistas sobre o assunto, fiel ao seu estilo informal e distante dos protocolos.

“Estou como um burro de padeiro, daqueles antigos que faziam entregas e paravam em todas os pontos sem ter recebido ordens”, comentou jocosamente.

Esta semana, Mujica, líder do Movimento de Participação Popular que integra a coalizão de esquerda Frente Ampla, foi o orador principal no encerramento da campanha de Yamandú Orsi, sua aposta nas prévias partidárias visando as eleições presidenciais de outubro.

“Tenho que transmitir a vocês a angústia existencial de um velho lutador para que tenham uma causa, um objetivo para viver um pouco além da existência cotidiana”, enfatizou o ex-presidente durante um discurso no qual defendeu a democracia e o papel do Estado no combate à pobreza, fez um chamado ao crescimento econômico e pediu “compromisso” com a salvação do planeta e da espécie humana.

ad/nn/jb/rpr