Em Cartaz

Muito além da série “Round 6”

Mostra de Cinema Coreano exibe 13 filmes inéditos de um país que se transformou em potência audiovisual

Crédito: Divulgação

SUCESSO “Kim Ji-young: Nascida em 1982”: produções orientais ganham destaque no cenário mundial (Crédito: Divulgação)

Durante muito tempo, o cinema coreano ficou restrito ao circuito dos festivais exclusivos para cinéfilos, com filmes obscuros e de qualidade técnica duvidosa. Essa percepção começou a mudar quando “Parasita”, de Bong Joon Ho, ganhou seis Oscars em 2020 — inclusive o de Melhor Filme. Além da grande popularidade de produções voltadas para crianças e adolescentes, a Coréia do Sul foi responsável esse ano pelo lançamento da série de maior sucessos da história da Netflix, “Round 6”. Tudo isso chama atenção para a 10ª. Mostra de Cinema Coreano, que acontece em parceria com a sala Petra Belas Artes, em São Paulo, até 12 de dezembro. Com 13 títulos inéditos, o festival trará filmes aclamados pelo público coreano em 2020 e 2021. A programação inclui até um remake curioso: “A Candidata Honesta”, baseado no longa brasileiro “O Candidato Honesto”, de 2014, mas com uma atriz escalada para o papel que foi de Leandro Hassum. O evento terá ainda workshops e jogos tradicionais coreanos, ao estilo dos que foram apresentados em “Round 6”. Entre os filmes, destaque para o belo “O Livro do Peite”, a animação infantil “Os Sete Anões e os Sapatos Mágicos”, e “Kim Ji-young: Nascida em 1982”, manifesto feminista que levantou a bandeira da igualdade entre homens e mulheres e provocou uma grande discussão na sociedade coreana.

Sol nascente nas telas

Divulgação

Outro país asiático homenageado com um festival de cinema é o Japão. A Mostra de Cinema Japonês ocorre de 3 a 12 de dezembro, no Shopping Center 3, em São Paulo. O evento integra o JFF (Japan Festival Film), projeto da Japan Foundation que promove a cultura oriental no mundo. Destaque para “The Promised Neverland” (foto), de Yuichiro Hirakawa, adaptação do bestseller do mangá de Kaiu Shirai e Posuka Demizu, que vendeu 25 milhões de cópias.