Geral

MT: Pastor é preso acusado de estuprar e passar ‘óleo ungido’ nas partes íntimas de mulheres

Crédito: Reprodução

Lourival Santos de Andrade foi preso (Crédito: Reprodução)

O pastor Lourival Santos de Andrade, de 42 anos, foi preso na quarta-feira (18), acusado de estuprar quatro mulheres, duas delas menores de idade, em Confresa (MT). Conforme as vítimas, o pastor passava “óleo ungido” nas partes íntimas das mulheres, afirmando que iria tirar “magia negra” de seus corpos. As informações são do jornal O Globo.



+ Criador das naves de ‘Star Wars’ morre aos 90 anos
+ Geisy Arruda surge de Chapeuzinho Vermelho sexy
+ Os signos que são almas gêmeas separadas ao nascer
+ Os signos mais mentirosos do zodíaco

A primeira denúncia contra o pastor foi feita em agosto de 2021. De acordo com a Polícia Civil, o investigado morava em Cuiabá (MT) e cometia os crimes quando ia à cidade de Confresa realizar cultos e encontros pastorais.

Uma das vítimas participava de uma conferência na igreja, quando o pastor chamou a menor em um quarto fechado e acariciou as partes íntimas dela. Em outro momento, ele realizou uma chamada de vídeo para a menor, em que aparecia manipulando e exibindo o órgão genital.

A segunda vítima, de 17 anos, relatou que no mês de fevereiro deste ano foi até igreja evangélica falar com pastor, para que ele fizesse uma oração. Na ocasião, ele a levou até o banheiro da igreja, deu um óleo a ela e pediu para que ela passasse na barriga. Na sequência, o investigado passou o óleo pelo corpo da vítima. A adolescente afirma que sentiu tontura e que depois foi abusada pelo pastor.

Conforme a investigação, os crimes eram cometidos sempre da mesma forma. Durante a oração, o pastor falava que tinha que passar óleo ungido nas partes íntimas das vítimas, pois alguém havia feito “magia negra”. O investigado levava as vítimas, maiores e menores de idade, para um quarto ou outro cômodo da igreja, passava o produto no corpo e nas partes íntimas delas e praticava os abusos.

Diante das provas colhidas, a Polícia Civil pediu a prisão preventiva do pastor, que foi preso em Cuiabá (MT).