Geral

MP junto ao TCU pede afastamento de Ricardo Salles

MP junto ao TCU pede afastamento de Ricardo Salles

Ministro Ricardo Salles


Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) – O Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU) pediu o afastamento temporário do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, sob acusação de “ingerência indevida” após a Polícia Federal ter dito que ele atuou em favor de madeireiros alvos de uma operação que realizou uma apreensão recorde de madeira ilegal em dezembro passado.

A acusação feita pela PF contra Salles, sob responsabilidade do delegado Alexandre Saraiva, foi remetida ao Supremo Tribunal Federal (STF) e se deu em meio à troca, anunciada na quinta-feira pela direção da polícia, do superintendente da corporação no Amazonas, Alexandre Saraiva, responsável pela investigação, do cargo.

O ministro foi acusado de obstruir uma apuração de apreensão recorde de madeira ilegal na região amazônica, de favorecer madeireiros e ainda de integrar uma organização criminosa envolvida num esquema de receptação e crimes ambientais. Salles só pode ser investigado criminalmente perante o Supremo.

Para o subprocurador-geral do TCU Lucas Furtado, a atuação de Salles merece a devida atenção do TCU.


+ Mãe conta à polícia que ateou fogo e matou bebê por ‘vergonha’ de ter a gravidez descoberta
+ Após ameaças, soldada da PM denuncia coronel por assédio sexual
+ Youtuber é perseguido por jacaré de três metros: veja vídeo



“A atuação do ministro do Meio Ambiente, na sequência dos acontecimentos, revela um total descolamento das atribuições do cargo que exerce, que deveria se pautar pela defesa do meio ambiente e pela fiscalização de atividades ilegais que resultam em dano ao patrimônio ambiental brasileiro”, disse.

“Ao contrário do que se esperava da atuação do ministro, ele vem atuando, segundo narrado na notícia crime, em defesa dos interesses dos madeireiros que realizaram as extrações ilegais e criminosas”, completou.

À Reuters, Salles disse que não fez nada para impedir a operação. Para o ministro, o delegado da PF fez um “último ato midiático” sem “nenhum fundamento”, quando já sabia que deixaria a Superintendência da PF no Amazonas, antes de ser comunicado oficialmente.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH3G005-BASEIMAGE

Veja também

+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tenha também a Istoé no Google Notícias
+ Canadá anuncia primeira morte de pessoa vacinada com AstraZeneca no país
+ Yasmin Brunet comemora vitória de Gabriel Medina
+ Decifrado código dos Manuscritos do Mar Morto
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Receita de moqueca de peixe simples e deliciosa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS