Movimento pela democracia junta ex-adversários

Crédito: Reprodução/Facebook

(Crédito: Reprodução/Facebook)

Inspirado no movimento das Diretas Já, de 1984, o sociólogo Fernando Guimarães criou o “Direitos Já”, que realizou na sexta-feira, 26, um ato virtual em defesa da democracia, com a participação, em uma live, dos políticos mais influentes do País: Fernando Henrique Cardoso, Ciro Gomes, Fernando Haddad, Marina Silva e Luciano Huck, entre outros.

Todos eles fazem oposição a Bolsonaro e estão apreensivos com as ameaças do presidente da República ao regime democrático, sobretudo por ele participar ostensivamente de protestos de seus aliados pedindo o fechamento do Congresso e do Supremo Tribunal Federal (STF), além de intervenção militar e a criação de um novo AI-5.

Algumas outras personalidades importantes foram convidadas a participar, chegaram a concordar em apoiar o ato, mas desistiram às vésperas do evento. Foi o caso dos ex-presidentes Michel Temer e José Sarney, assim como do ministro Dias Toffoli, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF).

Veja também

+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.