Comportamento

Movimento contra o racismo revela preconceitos na Ásia contra a pele escura

Movimento contra o racismo revela preconceitos na Ásia contra a pele escura

Produto para branqueamento da pele - AFP

Cansada de ouvir que deveria embranquecer sua pele quando criança, a estudante indiana Chandana Hiran simboliza a luta contra a obsessão da Ásia por uma pele clara, um combate alimentado pelos protestos mundiais contra o racismo.

Para a jovem, cuja petição online contra o creme clareador “Fair & Lovely” da Unilever foi assinada por dezenas de milhares de pessoas, a decisão da multinacional de mudar o nome de produtos cosméticos que usavam termos como “fair”, “light” e “white” já é uma vitória.

Sob pressão do movimento “Black Lives Matter”, as gigantes de cosméticos L’Oréal e Johnson & Johnson também anunciaram medidas semelhantes.

Mas os detratores do “colorismo” na Ásia, uma discriminação baseada no tom de pele, consideram que essas iniciativas não cortam o problema: preconceitos enraizados na sociedade.

Na Índia, a pele pálida está associada à riqueza e beleza, especialmente para as mulheres. “As pessoas acreditam que se você tem pele escura, nada terá na vida”, explica à AFP Chandana Hiran, 22 anos.

+ Menina engasga ao comer máscara dentro de nugget do McDonald’s

Esse estereótipo é perpetuado nos filmes de Bollywood, onde as atrizes costumam ter uma aparência clara, e na publicidade. Os jornais indianos estão cheios de anúncios de casamentos de conveniência que exigem candidatas com pele “branca leitosa”.

Empregada doméstica de 29 anos em Nova Délhi, Seema aplica o creme “Fair & Lovely” desde os 14 anos. Todas as mulheres da família usam. Agora também sua filha de 12 anos.

“Quando vejo publicidade sobre cremes para clareamento da pele, parecem um bom produto”, diz. “Mostram que quando as pessoas ficam mais brancas, encontram trabalho e recebem propostas de casamento”.

A colonização britânica da Índia reforçou o conceito de “colorismo”, mas já estava totalmente estabelecido no sistema tradicional de castas que estrutura a sociedade desse país de 1,3 bilhão de habitantes, segundo os pesquisadores.

“O preconceito é que as castas superiores têm pele mais clara que as castas inferiores”, explica Suparna Kar, socióloga da Universidade Christ em Bangalore.

– Discriminação –

Essa preferência pela pele branca não é exclusiva da Índia e se espalha por todo o continente asiático.

A indústria de produtos de branqueamento é um dos mercados mais dinâmicos do setor de cosméticos e representará 27,5 bilhões de euros (U $ 31,2 bilhões) até 2024, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), apesar de alguns deles causarem sérios problemas de saúde.

Na Tailândia, a publicidade para esses produtos está em todo lugar em Bangkok.

A blogueira Natthawadee “Suzie” Waikalo denuncia o racismo que permeia a sociedade tailandesa.

Nascida de pai malinense e mãe tailandesa, esta mulher de 25 anos sofreu muitos ataques devido à cor de sua pele. Ela explica que foi demitida do emprego porque seu chefe achava que a pele negra “dava uma imagem ruim à empresa”.

“É uma sensação horrível que você nunca esquece”, relatou recentemente em uma conferência na Associação Tailandesa de Jornalistas Estrangeiros.

Também nas Filipinas, muitos homens e mulheres usam substâncias branqueadoras. Uma tez mais clara está associada a uma “personalidade agradável”, diz Gideon Lasco, antropólogo da Universidade das Filipinas.

A blogueira filipina Patricia Terrado, 26 anos, lançou uma campanha online para atrair seus concidadãos a preferir sua cor natural da pele.

“Você tem o poder de criar sua própria definição de beleza, independentemente da cor da sua pele”, diz ela.

burx-grk-amd/oaa/es/af/mr

Veja também

+ Seu cabelo revela o que você come (e seu nível socioeconômico)

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Gésio Amadeu, o Chefe Chico de Chiquititas, morre após contrair Covid-19

+ Funcionário do Burger King é morto por causa de demora em pedido

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Bolsonaro veta indenização a profissionais de saúde incapacitados pela covid-19

+ Nascidos em maio recebem a 4ª parcela do auxílio na quarta-feira (05)

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?