Artigos

Movimento Antifa: terrorista ou bode expiatório de Trump?

Movimento Antifa: terrorista ou bode expiatório de Trump?

(2019) Ativista do Antifa é retirado de discussão com simpatizantes de Donald Trump em Washington - AFP/Arquivos

O presidente Donald Trump acusa o Antifa pela onda de distúrbios nos Estados Unidos, e indicou que o grupo esquerdista será considerado terrorista, assim como a Al-Qaeda e o Estado Islâmico.

O assessor de Segurança da Casa Branca, Robert O’Brien, e o procurador-geral, Bill Barr, consideram os membros do Antifa “militantes radicais”, por promoverem a violência.

– Quem são? –

A palavra “antifa” provém de antifascismo e começou a ser usada na Alemanha, no início da década de 1930, para denominar grupos socialistas que resistiam ao surgimento do nazismo.

Nas últimas duas décadas, grupos antifascistas nos Estados Unidos fizeram campanha por assuntos sociais. “Acreditamos e lutamos por um mundo livre do fascismo, racismo, sexismo, homo/transfobia, antissemitismo, islamofobia e intolerância”, publicou no Twitter esta semana o Antifa de Nova York.

Mas o objetivo principal era impedir o ressurgimento de neonazistas e grupos de supremacistas brancos. Um dos mais antigos, o Antifa de Rose City, Oregon, impediu em 2007 um festival de música organizado por neonazistas.

 

As táticas do movimento incluem denunciar publicamente extremistas de extrema direita e organizar contramanifestações. Mas desde que a eleição de Trump, em 2016, renovou os brios de grupos de direita, o Antifa optou por enfrentá-los diretamente e pela desobediência civil destrutiva.

Durante a posse de Trump, em 20 de janeiro de 2017, membros do Antifa destruíram as janelas e incendiaram um veículo em Washington. Em agosto daquele ano, lideraram contramanifestações quando supremacistas brancos e neonazistas saíram em passeata em Charlottesville, Virgínia, onde houve confrontos. Desde então, ambas as partes se enfrentaram em vários locais, entre eles Portland e Berkeley, na Califórnia.

Segundo o Serviço de Investigação do Congresso, o Antifa não possui uma organização nacional, nem um líder. O Serviço descreve o movimento como uma entidade “descentralizada, radical, de grupos ou indivíduos afins”. A maioria não é violenta, assinala o relatório, mas “parte dos membros do movimento deseja cometer crimes para promover suas crenças”.

– O Antifa promove os protestos atuais? –

Fora Trump e seus aliados, funcionários federais e locais dizem que os distúrbios generalizados da última semana envolvem muitos grupos, tanto de direita quanto de esquerda, entre eles o Antifa. “Vários grupos terroristas domésticos de direita e esquerda estão instigando e cometendo atos de violência e saques”, tuitou o presidente do Comitê de Inteligência do Senado, Marco Rubio.

A rede de TV ABC News reportou que o Departamento de Segurança Interior conta com documentos da inteligência que acusam personagens de ambos os extremos do espectro político. Em Minnesota, onde os distúrbios começaram, funcionários dizem que os instigadores da violência são nacionalistas brancos, esquerdistas, anarquistas e até traficantes de drogas.

O historiador Mark Bray, que estudou o Antifa, disse estar certo de que ativistas da organização estão envolvidos. Ele apontou que sua estrutura dispersa, formada por pequenas células, torna impossível saber quantos são. “Basicamente, não há anarquistas ou grupos Antifa suficientes para causar, por si próprios, tanta destruição”, indicou Bray ao jornal “The Washington Post”.

– Trump pode considerar o movimento terrorista? –

Provavelmente, não. Os Estados Unidos carecem de normas para classificar grupos domésticos violentos de terroristas. A designação mundial de terrorista é uma ferramenta poderosa: permite deter e prender qualquer um que expresse apoio a tais grupos, o que não se aplica dentro dos Estados Unidos por uma simples razão: uma lei assim, temem muitos, poderia fazer um líder aplicá-la contra rivais políticos.

 

Não obstante, há pressão para endurecer a classificação de delitos, principalmente devido aos tiroteios em massa frequentes contra negros e judeus realizados há anos por nacionalistas brancos.

O diretor do FBI Chris Way afirmou em fevereiro no Congresso que os supremacistas brancos seriam investigados da mesma forma que os simpatizantes do Estado Islâmico, e que seriam usadas equipes antiterroristas da entidade.

Embora Bill Barr aponte o Antifa como uma fonte de distúrbios, ele tem limitações para transferir a investigação para esta força antiterrorista. Barr assinalou que o foco deve estar em crimes federais que envolvam atravessar os limites dos estados para participar de distúrbios.

Veja também

+ Pronampe: pedidos ao Sicoob somam R$ 500 mi em 1 dia, 41% do limite
+ Leilão tem Camaro por R$ 72 mil e Versa por R$ 22 mil
+ Gafanhotos: Bahia enfrenta nuvem de insetos
+ A história da Rural e da picape F-75, avós dos SUVs brasileiros
+ 5 dicas para conservar (ou comprar) uma picape
+ Hackers brasileiros roubaram dados de clientes em 12 bancos
+ Jovem pede delivery e encontra dedo humano em esfirra
+ Veja 7 incríveis casas na natureza para sonhar
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior