Cultura

Mostra de Gaudí em SP reúne 46 maquetes do maior nome do modernismo catalão

Muitos anos antes que a palavra reciclagem fosse incorporada ao vocabulário cotidiano das grandes cidades, o arquiteto catalão Antoni Gaudí (1852-1926) já pedia aos operários construtores do Parque Güell, em Barcelona, que recolhessem pelo caminho cacos de cerâmica e fragmentos de objetos descartados pela população da cidade para montar esse seu grande mosaico público. Foi com os restos da sociedade catalã que Gaudí inventou uma técnica decorativa conhecida como trencadís (do catalão trencat, quebrado, por usar cacos). Ela marcou definitivamente o modernismo catalão, movimento que, entre 1880 e 1930, renovou a arquitetura, o design, a pintura e a escultura.

Gaudí: Barcelona 1900, a exposição que o Instituto Tomie Ohtake abre neste sábado, 19, comemorando seus 15 anos de existência, é um pouco seu trencadís estilístico, testamento estético que sintetiza a obra desse sonhador, empenhado em trazer para a terra a luz celestial filtrada por seu monumental – e inacabado – templo da Sagrada Família, cuja conclusão está prevista para 2026. Não se pode, a rigor, dizer que seja um templo representativo do modernismo catalão, até mesmo porque há nele reminiscências de estilos do passado, como aponta o curador Raimon Ramis, historiador da Universidade Autônoma de Barcelona que, desde 2013, mora no Chile, onde orienta a construção da capela de Santa Maria de los Ángeles de Rancagua, idealizada por Gaudí em 1922 e única obra do arquiteto fora da Espanha.

“Gaudí esteve, claro, ligado ao modernismo catalão, mas algo mudou radicalmente em sua concepção arquitetônica para dialogar menos com estilos e mais com as formas orgânicas”, diz Ramis, mostrando como as colunas arborescentes inclinadas e as abóbadas baseadas em paraboloides da Sagrada Família buscam imitar formas que estão na natureza – e trazem em sua matemática rigorosa as marcas da geometria sagrada, uma vez que Gaudí, católico fervoroso, rejeitou as formas do gótico (por não refletir a natureza), projetando 18 torres -12 para os apóstolos, uma para Jesus, outra para a Virgem e mais quatro para os evangelistas. Por ser considerada sua obra-prima, é a mais representada na mostra (por meio de maquetes).

A mostra é dividida em dois núcleos: no primeiro estão os artistas contemporâneos de Gaudí que ajudaram a construir o modernismo catalão, pintores como Isidre Nonell, Ramón Casas e Santiago Rusiñol, influenciados pelos impressionistas franceses, além de escultores como Josep Llimona i Bruguera, que também passou por Paris e foi marcado pela visão de Rodin. No segundo núcleo estão as obras de Gaudí, representadas por reproduções fotográficas, maquetes e estudos de época para o desenvolvimento de seus arcos parabólicos catenários aplicados à arquitetura.

O mundo natural foi, enfim, não só modelo para Gaudí, como se vê na mostra. O curador aponta uma paisagem crepuscular assinada pelo pintor Modest Urgell i Inglada, claramente derivada da pintura romântica, para provar como todo o modernismo catalão foi marcado pela tentativa de reproduzir a natureza, seja na tela, nos desenhos de móveis ou nos ladrilhos usados por Gaudí para decorar a parte externa de seus projetos (há um exemplo na mostra, que reúne 71 objetos).

GAUDÍ: BARCELONA 1900

Instituto Tomie Ohtake. Av. Faria Lima, 201, tel. 2245-1900. Terça a domingo, 11h/20h. Ingressos: R$ 6 a R$ 12. Até 5/2/2017.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Veja também

+ Entenda como a fase crítica da pandemia de Covid-19 pode ter sido superada em SP
+ Ford Ranger supera concorrentes e é líder de vendas
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Cantora Patricia Marx se assume lésbica aos 46 anos de idade
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior

Tópicos

GAUDI/MOSTRA/SP