Tecnologia & Meio ambiente

Morreu a cientista espanhola Margarita Salas, pioneira em biotecnologia

Morreu a cientista espanhola Margarita Salas, pioneira em biotecnologia

(Arquivo) Pesquisador trabalha no Instituto Universitário do Câncer da cidade francesa de Toulouse - AFP/Arquivos

A cientista espanhola Margarita Salas, promotora de uma patente que mudou a forma de trabalhar com o DNA em oncologia, morreu nesta quinta-feira, em Madri, aos 80 anos, anunciou a instituição científica com a qual colaborava.

A bioquímica Margarita Salas foi discípula de Severo Ochoa, Prêmio Nobel de Fisiologia e Medicina em 1959, e continuava pesquisando para o Conselho Superior de Pesquisas Científicas (CSIC), um organismo público espanhol.

Salas se destacou como a criadora de uma patente que permite amplificar o DNA “de forma simples, rápida e confiável”, destacou o CSIC em um comunicado.

Sua contribuição parte da descoberta de uma enzima do vírus phi29. Tal enzima recebe o nome de polimerase, que é um elemento-chave do DNA e permite ampliá-lo para lê-lo melhor e obter mais informações dele.

Em junho passado em Viena, ao receber o Prêmio Inventor Europeu, concedido pelo Escritório europeu de patentes e marcas, ela explicou a utilidade desta patente na análise genética, forense e paleontológica.


+ Advogada é morta e tem corpo carbonizado no Rio de Janeiro
+ Morre Liliane Amorim, influencer de Juazeiro do Norte, após complicações da realização de lipoaspiração

“Quando você tem quantidades pequenas de DNA, como um cabelo encontrado em uma cena do crime ou em restos arqueológicos, esta DNA-polimerase amplia em milhões de vezes o DNA para que ele possa ser analisado, sequenciado e estudado”, disse.

Na pesquisa sobre o câncer, a técnica desenvolvida por Salas permite ampliar e estudar em detalhe pequenas populações de células, suscetíveis de derivar em tumores.

A patente foi a mais rentável na história do CSIC, que descreveu Salas como “uma das maiores cientistas espanholas do século XX”.

O astronauta Pedro Duque, ministro espanhol da Ciência, a apresentou como “uma das cientistas espanholas mais brilhantes da história” e “uma mulher pioneira”, fundamental nos avanços de biologia molecular “que propiciaram o progresso da humanidade”.

Veja também

+ Restaurante japonês que fez festa de swing lança prato chamado “suruba”
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Como fazer seu cabelo crescer mais rápido
+ Vem aí um novo megaiceberg da Antártida
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel
+ KTM lança a nova e espetacular 1290 Super Adventure S
+ 7 tendências de design de interiores que vão bombar em 2021
+ Chef revela o segredo de como fazer ovos mexidos cremosos de hotel
+ Cientista desvenda mistério do monstro do Lago Ness. Descubra!l
+ Boletim médico de apresentador da RedeTV! indica novo sangramento no cérebro
+ Yamaha se despede da SR 400 após 43 anos de produção