Comportamento

Morre sociólogo e filósofo Zygmunt Bauman, teórico da ‘modernidade líquida’

Morre sociólogo e filósofo Zygmunt Bauman, teórico da ‘modernidade líquida’

(Arquivo) Foto tirada em 22 de outubro de 2012 mostra Zygmunt Bauman, filósofo e sociólogo polonês, em Praga - AFP/Arquivos

O sociólogo e filósofo polonês Zygmunt Bauman, conhecido por seu conceito de “sociedade líquida”, faleceu aos 91 anos, em sua casa em Leeds, na Grã-Bretanha – informou a imprensa de seu país natal, nesta segunda-feira (9).

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

De acordo com sua companheira Aleksandra Kania, citada pelo jornal polonês Gazeta Wyborcza, Zygmunt Bauman morreu “cercado de seus familiares mais próximos”.

Nascido em uma família judia polonesa, em 1925, em Poznan, no oeste da Polônia, Bauman dedicava seus trabalhos à modernidade e às sociedades contemporâneas.

Comunista convicto durante e depois da Segunda Guerra Mundial, foi colaborador nos anos 1945-1953 dos serviços de Inteligência militar comunista. Seu arquivo se encontra no Instituto da Memória Nacional (IPN), organismo encarregado de perseguir os crimes nazistas e comunistas.

Em 1954, começa a ensinar Filosofia e Sociologia na Universidade de Varsóvia, antes de deixar a Polônia e ir para Israel, em 1968, em razão da onda antissemita orquestrada pelo poder comunista.

Depois de se instalar na Grã-Bretanha em 1971, ele dará aulas até se aposentar em 1990, na Universidade de Leeds, onde se tornou professor emérito.

Então marxista, Zygmunt Bauman se tornou um dos mais importantes representantes do pós-modernismo. No fim da década de 1980, ele criou o conceito de “sociedade líquida”, onde tudo – incluindo o indivíduo – é alvo de consumo.

Ganhador de diversos prêmios internacionais, incluindo o Prêmio europeu Nagrodę Amalfi e o prestigioso Prêmio Theodor W. Adorno, é autor de mais de 40 obras, traduzidas em pelo menos 15 idiomas. Entre seus títulos mais conhecidos, estão “Amor líquido”, “Modernidade líquida” e “O mal-estar da pós-modernidade”.

Em seu último livro, “Estranhos à nossa porta”, publicado em 2016, ele analisa o discurso político e midiático sobre a crise migratória.

Veja também

+Após ficar internada, mulher descobre traição da mãe com seu marido: ‘Agora estão casados’

+ Por decisão judicial, Ciro Gomes tem imóvel penhorado em processo com Collor

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea