Geral

Morre liderança indígena do Alto Xingu

Morreu nesta quarta-feira (5), em Goiânia, o cacique Aritana Yawalapiti, uma das principais lideranças indígenas da região do Alto Xingu (MT). Aos 71 anos, o cacique morreu por causa da covid-19, após ficar internado por 15 dias.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

De acordo com o Instituto Socioambiental (ISA), Aritana era um “grande líder” e referência para o Parque Indígena do Xingu, também conhecido como Território Indígena do Xingu (TIX).

“Desce criança, foi moldado para ser um chefe alto xinguano, com influência em todas as etnias do Alto Xingu. Era poliglota, falava pelo menos quatro línguas diferentes e sempre foi um grande mediador das relações de contato do mundo do branco com os xinguanos, com um estilo diplomático de ser”, registra o texto.

Segundo levantamento do Comitê Nacional de Vida e Memória Indígena da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil [http://emergenciaindigena.apib.info/dados_covid19/}, mais de 630 indígenas morreram e 23 mil foram infectados pelo novo coronavírus até o final do mês passado. No período, a taxa de mortalidade por 100 mil habitantes entre os indígenas era mais de 50% acima da taxa do conjunto da população.

Hoje o Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) confirmou determinação para que o governo federal adote medidas para a contenção da covid-19 entre as comunidades indígenas.

Veja também

+Cidadania divulga calendário de pagamentos da extensão do auxílio emergencial

+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’

+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea