Milhares de pessoas fugiram nesta quarta-feira (19) de Cartum, capital do Sudão, onde testemunhas informaram que corpos jaziam pelas ruas, no quinto dia de combates entre o Exército e os paramilitares.

Os confrontos em Cartum e em outras regiões do país já deixaram mais de 270 civis mortos, de acordo com um balanço provisório de 15 embaixadas ocidentais.

Governos estrangeiros começaram a planejar a evacuação de milhares de expatriados, incluindo funcionários da ONU, que denunciou os “saques, ataques e violência sexual contra trabalhadores humanitários”.

O ministro da Defesa do Chade, país vizinho, informou que, no último domingo (16), 320 militares cruzaram a fronteira para fugir dos confrontos violentos. “São 320 elementos do exército sudanês, gendarmes, policiais e militares que temem ser mortos pelas Forças de Apoio Rápido (FAR), que se renderam às nossas forças”, disse à AFP o general Daoud Yaya Brahim, nesta quarta-feira.

No último sábado, a violência explodiu entre as tropas dos dois generais que tomaram o poder em um golpe de Estado em 2021: o comandante do Exército, Abdel Fatah al-Burhan, e seu então número dois, Mohamed Hamdan Daglo, comandante do grupo paramilitar Forças de Apoio Rápido (FAR ou RSF, na sigla em inglês).

Assine nossa newsletter:

Inscreva-se nas nossas newsletters e receba as principais notícias do dia em seu e-mail

Ambos divergem sobre os planos de integração das FAR ao Exército oficial, uma condição crucial do acordo final para a retomada da transição democrática no Sudão.

– Corpos nas ruas –

Nesta quarta-feira, milhares de pessoas começaram a abandonar suas casas na capital sudanesa, que tem cinco milhões de habitantes. Algumas estavam em veículos e outras a pé, incluindo mulheres e crianças.

As ruas estavam repletas de cadáveres, com o cheiro da decomposição cada vez mais intenso, segundo testemunhas.

“A vida em Cartum é impossível se esta guerra não for interrompida”, disse Alawya al-Tayeb à AFP enquanto fugia da capital.

“Fiz tudo o possível para que meus filhos não vissem os cadáveres nas ruas”, acrescentou a mulher de 33 anos.

Durante a manhã, foram ouvidas fortes explosões e tiroteios intensos na capital. Colunas de fumaça eram observadas nas proximidades do quartel-general do exército no centro da cidade.

Combatentes das FAR em veículos armados e caminhões com armas pesadas circulavam pelas ruas, enquanto caças do exército sobrevoavam e atiravam contra alvos do grupo paramilitar, segundo testemunhas.

Os civis que permanecem em suas casas estão cada vez mais desesperados diante da escassez de alimentos, dos apagões e da falta de água encanada. Alguns deles foram forçados a sair em busca de suprimentos quando a intensidade dos combates diminuiu.

A esperança de retirada da cidade acabou na terça-feira, quando uma trégua humanitária de 24 horas não foi concretizada poucos minutos antes do horário previsto para seu início.


As FAR anunciaram unilateralmente nesta quarta-feira “uma trégua de 24 horas a partir das 16h00 GMT (13h de Brasília)”, mas há pouca confiança de que ela seja cumprida.

– Transição fora dos trilhos –

Após cinco dias de confrontos, é difícil saber quem controla quais partes da capital. Imagens de satélite exibem a dimensão dos danos, visíveis do interior da sede do Estado-Maior do exército.

“Nenhuma parte parece estar vencendo no momento e, levando em consideração a intensidade dos combates, as coisas podem piorar antes que os dois generais se sentem à mesa de negociações”, alerta Clément Deshayes, da Universidade Paris 1.

A espiral de violência acontece depois que mais de 120 civis morreram na repressão contra as manifestações pró-democracia dos últimos 18 meses.

O início dos confrontos no sábado foi o ponto máximo das profundas divergências entre o Exército e as FAR, criadas em 2013 pelo ditador deposto Omar al Bashir.

Os combates surpreenderam 177 soldados egípcios que participavam de treinamentos conjuntos no norte do país e foram capturados pelas FAR, o que ameaçava provocar uma escalada regional do conflito. Por fim, os militares foram evacuados “em quatro aviões militares do Egito”, informou o Exército sudanês.

Burhan e Daglo derrubaram Bashir em conjunto em abril de 2019, após os grandes protestos contra as três décadas de ditadura.

Em outubro de 2021, os dois homens lideraram um golpe contra o governo civil instalado após a queda de Bashir, o que acabou com a transição apoiada pela comunidade internacional.

Burhan, um militar de carreira do norte do Sudão, afirmou que o golpe era “necessário” para incluir outras facções na política. Mas para Daglo, conhecido como “Hemedti”, o golpe foi “um erro” que não conseguiu gerar mudança e reforçou a presença dos remanescentes do regime de Bashir.


Siga a IstoÉ no Google News e receba alertas sobre as principais notícias