Brasil

Monarca ou déspota?

Eduardo Eugênio Gouveia Vieira perpetua-se na Firjan há 24 anos, usando e abusando de um orçamento de R$ 1 bilhão gasto na compra de palacete, viagens a Paris, e no fretamento de helicópteros e jatinhos

Crédito: JOÃO LAET

REINADO Gouveia Vieira acumula 8 mandatos consecutivos na Firjan, onde já é conhecido como “monarca” (Crédito: JOÃO LAET)

Escolhido pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, para capitanear a transição das entidades do Sistema S para tempos mais modernos, o presidente da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), Eduardo Eugênio Gouveia Vieira, está longe de ostentar um perfil à altura de sua missão. O industrial carioca, conhecido como “monarca”, acumula um reinado de um quarto de século — exatos 24 anos – à frente da entidade, na qual se eterniza amparado por manobras que lhe permitem ilimitadas reeleições. Com isso, ele tem mandato assegurado até 2020 e prepara-se para obter novo período na direção da instituição, o que poderá lhe manter ditatorialmente no cargo por quase 30 anos. Um absurdo, sobretudo num momento em que o País clama por transparência e lisura de seus dirigentes. Afinal, a Firjan administra um orçamento de R$ 1 bilhão, gasto sem maior rigor pelo mandatário que despacha, literalmente, num palacete.

É que recentemente, Gouveia Vieira comprou, em nome da Firjan, o antigo Palacete Guinle-Lineu de Paula Machado, no bairro de Botafogo, no Rio de Janeiro, onde ele e sua diretoria recebem convidados em eventos exclusivos para públicos restritos. Uma incoerência gritante para um gestor escolhido pelo governo para gerir e reformular o Sesi e Senai, cuja reestruturação foi determinada por Guedes com o objetivo de acabar com aquisições milionárias de imóveis com recursos do Sistema S. Só na compra do palacete e do terreno da família Guinle, a Firjan gastou R$ 42,2 milhões, além de outros R$ 70 milhões usados na reforma do imóvel. Enquanto o monarca Gouveia Vieira ocupa o palacete Guinle, o corpo técnico da Firjan continua operando na antiga sede, localizada na avenida Graça Aranha, no centro do Rio.

Na verdade, os recursos usados no nababesco palácio da Firjan deveriam estar sendo aplicados na missão final do Sesi e do Senai, que é o atendimento dos funcionários das indústrias fluminenses. Apesar de estar entre as mais ricas federações do país, a Firjan é a que menos oferece educação básica a seus associados, com 158 vagas escolares ofertadas em todo o estado em 2018. No ensino médio, por sua vez, as entidades dirigidas pelo “rei da Firjan” ofereceram apenas 119 vagas em todo o estado.
Pelas normas do Sistema S, o Sesi é obrigado a destinar um terço de sua receita líquida para a área de educação, sendo metade em vagas gratuitas no ensino básico e continuado. Mas os recursos têm sido aplicados em caprichos pessoais e autopromoção do “déspota” da Firjan. Um levantamento na prestação de contas da entidade constatou que, em 2013, foram gastos com o aluguel de jatinhos e helicópteros quase três vezes mais do que estava previsto, saltando de R$ 191 mil para R$ 489 mil. Gouveia Vieira costuma fretar helicópteros para reuniões em Niterói ou jatinhos para suas viagens regionais, sobretudo para idas a Brasília (ele se recusa a usar aviões de carreira).

Gouveia Vieira entrou na mira da Lava Jato, após delação de Rogério Araújo, executivo da Odebrecht, enrolado com superfaturamentos

As despesas de publicidade também são astronômicas. A entidade gasta R$ 28 milhões por ano. O Tribunal de Contas da União (TCU), onde desde 2015 há pendências na prestação de contas do Sesi-RJ, informou que solicitará explicações sobre a destinação dos recursos. A Firjan também patrocina as viagens constantes de Gouveia Vieira à Paris. Ele vai à França pelo menos cinco vezes por ano e fica hospedado no Hotel Plaza Atheenee, o mais caro da capital francesa, com diárias de até R$ 4 mil, tudo pago pela entidade.

Salários milionários

Numa espécie de pacto com outros diretores e funcionáros mais graduados da entidade, Gouveia Vieira paga salários milionários, de até R$ 100 mil mensais para o diretor-geral, muito acima do teto constitucional de R$ 33 mil. Segundo acórdão do Tribunal de Contas da União (TCU), publicado em 16 de novembro de 2016, graves denúncias foram apontadas na gestão de Gouveia Vieira, especialmente no tema de supersalários. Somente no período de 2008 a 2010, a entidade desviou R$ 60,7 milhões em prêmios e salários considerados ilegítimos.

Além de todos esses malfeitos, Gouveia Vieira entrou na mira da Operação Lava Jato do Rio de Janeiro, após a delação de Rogério Araújo, executivo da Odebrecht, enrolado nas obras superfaturadas do Complexo Petroquímico do Estado do Rio de Janeiro (Comperj). O presidente da Firjan teria participado de irregularidades nas obras do Comperj ao lado do ex-governador Sérgio Cabral, preso no Rio por vários crimes de corrupção. Os investigadores da Lava Jato estão intrigados com as movimentações patrimoniais atípicas do velho monarca carioca. O rei está nu.