Em Cartaz

Missão francesa ocupa o Brasil

O Festival Varilux de Cinema Francês exibe 16 filmes inéditos em 80 cidades e se torna o maior evento do gênero

Crédito: Jerome Prebois

POVO Adèle Haenel interpreta uma ativista involuntária em “A Revolução em Paris”, de Pierre Schoeller: superprodução histórica (Crédito: Jerome Prebois)

O Festival Varilux do Cinema Francês se consolidou como o maior evento da modalidade fora da França. A décima edição acontecerá em 80 cidades do Brasil. Destas, 37 contarão com premières festivas. Durante 13 dias, serão exibidos 16 longas-metragens inéditos e um clássico que faz 30 anos: “Cyrano de Bergerac”, de Jean-Paul Rappeneau, com Gérard Depardieu. Entre os inéditos, destacam-se a superprodução “A Revolução em Paris”, de Pierre Schoeller, estrelado por Adèle Haenel, sobre a participação do povo na deposição de Luís XVI. Na comédia “Amor à segunda vista”, de Hugo Gélin, com François Civil e Joséphine Japy (os dois atores vão participar das estreias em São Paulo e Rio), um homem perde sua musa em um mundo paralelo. A animação “Asterix e o Segredo da Poção Mágica” narra a saga da dupla gaulesa tal como foi escrita por Goscinny. “O festival ajudou a alterar a imagem da França como produtora de filmes cerebrais”, diz a curadora Emmanuelle Boudier. “O cinema francês o sétimo mercado do mundo, E tem forte apelo popular”. De 6 a 19/6, em 80 cidades. Informações em variluxcinefrances.com e no Instagram @variluxfrances.

3 destaques do evento

Divulgação

> Graças a Deus (2018) 

O drama de François Ozon conta a história de um padre pedófilo. Ganhou o Urso de Prata de Berlim

> Cyrano mon amour (2019) 

Como o dramaturgo Edmond Rostand escreveu sua obra-prima, peça “Cyrano de Bergerac” é o tema da comédia de Alexis Michalik

> Amor à segunda vista (2019)
Comédia dirigida por Hugo Gélin, com François Civil e Joséphine Japy, que participam do festival em São Paulo e Rio de Janeiro