Brasil

Ministros trapalhões

Os principais auxiliares de Bolsonaro mais produziram bagunças administrativas e despautérios verbais, em 100 dias de governo, do que apresentaram projetos que modificassem a realidade de suas pastas

Crédito: Divulgação

Desde que o governo Bolsonaro começou, toda semana o ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodriguez, demite alguém. Em 14 semanas, Vélez já trocou pelo menos 13 pessoas nos cargos de alto escalão. Em um país que se esforça para reduzir gastos, a alta rotatividade na Educação já gerou um custo de R$ 180 mil em pagamentos para secretários que se deslocam a Brasília para serem defenestrados logo em seguida. Vélez é a mais vistosa ave da ala de ministros exóticos do governo Bolsonaro. Uma equipe que tem se esmerado em provocar constrangimentos e trapalhadas.

No discurso anterior à posse, a promessa de Bolsonaro era formar um ministério enxuto, com apenas 15 pastas, eficiente e eminentemente técnico. De saída, quebrou-se a regra de austeridade: o governo chegou a 22 ministérios. Em alguns casos, porém, o perfil foi atingido. O ministro da Economia, Paulo Guedes, é o melhor exemplo, assim como o da Justiça, Sergio Moro. Também é assim com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas. Mas, em outras áreas, especialmente aquelas em que prevaleceu a indicação do astrólogo Olavo de Carvalho, os escolhidos beiram o bufo. Além de Vélez, há Ernesto Araújo, nas Relações Exteriores, versando a constrangedora defesa de que o nazismo de Adolf Hitler foi um movimento de esquerda, apenas porque o partido do déspota se chamava Nacional Socialista. E tem também Damares Alves, que assumiu o Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, emitindo várias opiniões desvairadas, como aquela em que “meninos vestem azul e meninas vestem rosa”.

No final da semana passada, havia informações concretas de que Vélez se tornaria o segundo ministro demitido por Bolsonaro, depois da saída de Gustavo Bebianno da Secretaria de Governo. Há quem diga que a demissão só não se concretizou porque vazou para a imprensa, e Bolsonaro, então, desistiu para não passar a ideia de que estava sendo pautado pelos jornalistas. Desde a primeira semana, Vélez coleciona problemas. Um dia depois de tomar posse, ele fez mudanças no Programa Nacional do Livro Didático autorizando no decreto que os livros tivessem publicidade. Diante da repercussão, disse que a portaria tinha sido publicada por engano e a anulou. Depois, determinou às escolas que exigissem que as crianças cantassem o Hino Nacional e que elas fossem filmadas na ação patriótica. Novo recuo de Vélez. Mais tarde, suspendeu a determinação de mudanças no Sistema de Avaliação da Educação Básica. O problema é que as decisões de retroceder não provocavam apenas constrangimentos. Até hoje o Ministério não definiu a compra de livros didáticos.

Não foi ditadura?

E Vélez insiste no exotismo ao querer, agora, fazer nova alteração para que os livros reescrevam a História e digam que em 1964 não houve golpe militar no Brasil, nem ditadura. Um esforço patético de alterar os fatos que parecem uma tradução mal feita do Ministério da Verdade – que só propagava mentiras – do romance 1984 de George Orwell. Até os ministros militares, como o secretário de Governo, general Santos Cruz, admitem que o regime militar foi uma ditadura.

De saída, a regra de austeridade foi quebrada: a promessa era ficar com 15 ministérios. Chegou a 22 pastas

Outro exemplo constrangedor vem do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo. Sua orientação extremamente ideológica para o ministério provoca arrepios não somente no Itamaraty, como em outros órgãos. ISTOÉ apurou que setores do governo ligados à área econômica já trabalham fortemente nos bastidores contra ele, diante dos riscos que sua atuação representa para os negócios brasileiros. Araújo tem desestimulado o prosseguimento de relações com países não alinhados com o presidente dos EUA, Donald Trump.

No dia 13 de maio, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, irá à China. A viagem também terá entre outros objetivos a tarefa de consertar danos da condução ideológica de Araújo. A China é o principal parceiro comercial do Brasil e está preocupada ao ver a possibilidade da condução de política externa preterir seus interesses. A ministra tentará preservar os negócios chineses no setor agropecuário.

Menos danosa e mais folclórica é a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves. Para muitos, ela cumpre o papel de falar para os setores mais radicais do bolsonarismo.Assim, investe, entre outras coisas, na cor da roupa de meninos e meninas. Quando atuava como pastora, Damares chegou a criticar a teoria da evolução e a insinuar a existência de hoteis fazendas onde as pessoas iriam para fazer sexo com animais. No ministério, Damares faz a polêmica defesa do ensino domiciliar, no qual as crianças não precisam ir à escola e são educadas pelos pais. Ao defender o projeto, ela não poderia a essa altura ter escolhido exemplo pior. Disse que Vélez Rodrigues, seu parceiro na ala folclórica, teve educação domiciliar. E se notabilizou ao dizer que educar uma filha no Brasil era difícil, recomendando aos pais que fugissem do país para criar as meninas.

Já ministros como Marcelo Álvaro Antônio, do Turismo, não só colocaram o governo em maus lençóis, como também arranharam a imagem de honestidade da nova gestão. No começo de fevereiro, foi acusado de patrocinar campanhas de quatro mulheres a deputadas federais em Minas Gerais, que não tinham condições de se eleger, só para desviar os R$ 279 mil que o PSL mineiro lhes destinou do fundo público eleitoral. O ministro, que pediu para ter foro privilegiado, continua sendo investigado pela Justiça de Minas. Assim, Bolsonaro mostrou ter dois pesos e duas medidas. Demitiu o ministro Gustavo Bebianno da Secretaria de Governo por suspeitas no laranjal de Pernambuco e manteve Álvaro Antonio no laranjal mineiro.

Outro ministro, Ricardo Salles, do Meio Ambiente, também se destacou negativamente. Além de ter sido condenado em dezembro por improbidade administrativa quando foi secretário do Meio Ambiente de São Paulo, o ministro cometeu uma heresia ao menosprezar o líder ambientalista Chico Mendes, assassinado na Amazônia por sua luta em defesa da floresta. “Quem é Chico Mendes? É irrelevante”. Na verdade, foi o ministro quem não mostrou ter importância para o meio ambiente. Salles é o suprassumo dos ministros trapalhões que, em apenas 100 dias, mais provocaram confusões do que apresentaram projetos que mudassem a realidade do país.

O causador de confusões

Divulgação

O filósofo Olavo de Carvalho não é ministro, mas é o homem mais influente do governo. Nomeou ministros, como Ricardo Vélez Rodriguez, da Educação, e Ernesto Araújo, das Relações Exteriores, além do fato de que inúmeros técnicos instalados no MEC, por exemplo, são alunos de seus cursos, dados pela Internet. A especialidade de Olavo, inclusive, é navegar pelas mídias sociais. Ele não abandona o Twitter por nada. Diariamente posta dezenas de comentários, a maioria criticando a esquerda e xingando jornalistas brasileiros, ao mesmo tempo em que aponta caminhos para a direita trilhar. Seus posts expõem mensagens ofensivas, com palavras de baixo calão. Em 100 dias, criou crises desnecessárias.