Economia

Ministro francês se opõe a acordo de livre comércio entre UE e EUA

O ministro de Comércio da França, Matthias Fekl, defendeu hoje o fim de negociações comerciais entre União Europeia e EUA, no sinal mais claro da crescente oposição na Europa ao que seria o acordo comercial mais ambicioso em décadas.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

Fekl anunciou que vai pedir à Comissão Europeia, o braço executivo da UE, durante reunião de ministros prevista para o fim de setembro, que sejam interrompidas as discussões para o Acordo de Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (TTIP, na sigla em inglês). A comissão lidera as negociações com os EUA, em nome da UE.

“A França já não apoia mais essas negociações politicamente”, disse Fekl a uma rádio francesa. “Os americanos não estão nos dando nada”, acrescentou. “Essa não é a forma de aliados negociarem”.

Os comentários de Fekl mostram como o ceticismo em relação a acordos comerciais é comum a ambos os lados do Atlântico. Nos EUA, o presidente Barack Obama enfrenta uma dura batalha no Congresso para aprovar outro grande acordo comercial, a Parceria Transpacífico.

Na UE, políticos das maiores economias do bloco, França e Alemanha, viram alvos de críticas por apoiarem as negociações com os EUA. Marine Le Pen, líder do partido de extrema direita francês Frente Nacional, tem frequentemente atacado o presidente François Hollande por apoiar as discussões. Já no domingo, o vice-chanceler alemão, Sigmar Gabriel, declarou que as “negociações com os americanos fracassaram”.

Os EUA e a UE iniciaram as conversas em 2013. Na ocasião, a maioria dos países europeus, em busca de políticas que estimulassem a perspectiva de crescimento da região, apoiou as negociações com entusiasmo.

A expectativa é que o TTIP elimine quase todas as tarifas e reduza a burocracia que emperra o comércio, estabelecendo o que seria uma vasta zona de livre comércio transatlântica. No entanto, há temores na Europa de que o acordo acabe exigindo que a região aceite tecnologias dos EUA, como a biotecnologia agrícola. Fonte: Dow Jones Newswires.

Veja também

+ Após foto “com volume” ser derrubada no Instagram, Zé Neto republica imagem usando bermuda

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Morre mãe de Toni Garrido: “Descanse, minha rainha Tereza”

+ Jojo Todynho solicita ajuda médica e preocupa fãs

+ Capacete estilo astronauta contra Covid-19 gera polêmica na internet

+ Vídeo: Acompanhado por 140 militares, caça Gripen é rebocado pelas ruas de Navegantes

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea