(ANSA) – BRASÍLIA, 12 GIU – O ministro das Comunicações, Juscelino Filho (União Brasil), foi indiciado pela Polícia Federal (PF) sob suspeita de cometer crimes como corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa.   

A medida foi tomada no inquérito que investiga desvio de dinheiro público para obras de pavimentação na cidade maranhense de Vitorino Freire, cuja prefeita é Luanna Rezende.   

Luanna é irmã de Filho e chegou a ser afastada do cargo em 2023 no marco do escândalo pelo suposto desvio de dinheiro da empresa pública Codevasf (Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba).   

O crime aconteceu por meio de emendas parlamentares em 2022, quando o atual ministro era deputado federal por Maranhão.   

Um dos elementos que deu embasamento à decisão da PF é um relatório da Controladoria-Geral da União (CGU) sobre o suposto desvio de dinheiro da Codevasf para construir um caminho próximo a uma propriedade da família do ministro.   

O relatório da PF foi enviado ao Supremo Tribunal Federal, e o relator é o ministro Flávio Dino. O caso está sob sigilo.   

Em nota, Filho disse que o indiciamento “é uma ação política e previsível, que parte de uma apuração que distorceu premissas, ignorou fatos e sequer ouviu a defesa sobre o escopo do inquérito”. “Trata-se de um inquérito que devassou a minha vida e dos meus familiares, sem encontrar nada. A investigação revira fatos antigos e que sequer são de minha responsabilidade enquanto parlamentar”, acrescenta. (ANSA).