Economia

Ministério da Economia terá dois de três assentos no novo CMN

O Ministério da Economia terá dois dos três votos do novo Conselho Monetário Nacional (CMN). A nova estrutura da instância que define a meta de inflação e regras para o setor bancário prevê que as decisões serão tomadas pelo ministro da Economia, presidente do Banco Central e secretário especial de Fazenda do próprio Ministério da Economia. Assim, dois votos serão ligados diretamente a Paulo Guedes – o próprio voto do ministro e de seu secretário de Fazenda.

Antes da chegada do governo Jair Bolsonaro, o CMN era composto pelos ministros da Fazenda e do Planejamento, além do presidente do Banco Central. Os votos eram, portanto, de três pastas diferentes e representados por três diferentes ministros de Estado.

Entre as responsabilidades do CMN está o estabelecimento da meta de inflação, regular e zelar pela solvência e liquidez do sistema financeiro, coordenar as políticas monetária, creditícia, orçamentária, fiscal e da dívida pública, além de orientar a aplicação dos recursos das instituições financeiras para criar condições favoráveis ao desenvolvimento harmônico da economia nacional.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel