Brasil

‘Minha vida está em risco’, diz PM que perdeu porte de arma após polêmica com ex-comandante no RJ

Crédito: Reprodução/ Instagram

Afastado das ruas, o soldado da Polícia Militar do Rio de Janeiro Gabriel Luz Monteiro de Oliveira também perdeu o direito ao porte de arma e a identidade funcional da corporação. O fato aconteceu após o PM youtuber se envolver em polêmica com o ex-comandante-geral da polícia Ibis Silva Pereira. A retirada dos direitos do soldado foram publicadas no boletim interno da polícia na última quarta-feira (4).

Cumprindo função na Diretoria Geral de Pessoal (GGP), Monteiro também é integrante do Movimento Brasil Livre (MBL). O soldado foi alvo de um sindicância da corporação por tratar o coronel Ibis “de forma desrespeitosa, em pelo menos duas ocasiões”, no local de trabalho dele, “oficial superior da reserva remunerada”, tendo inclusive filmado-o “sem autorização”, segundo o portal O Dia.

Conforme consta no processo, Gabriel teria se passado por estudante para conversar com o ex-comandante na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), local onde o policial reformado trabalha. Ao atender o soldado, Ibis percebeu que Gabriel pretendia gravar uma vídeo para o seu canal, no qual ele questionou algumas ações do coronel.

Após a perda do porte e da funcional, Gabriel gravou mais um vídeo nesta quarta para comentar a decisão da corporação. Além disso, o soldado também usou o Twitter para questionar o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC-RJ).

“Por causa do meu questionamento, eu perco, no dia de hoje, o porte de armas, eu perco minhas funções externas na Polícia Militar, estou largado”, lamenta Gabriel.

O que dizem o ex-comandante e a PM?

Procurado pelo DIA sobre a decisão da PM, o coronel Ibis disse que questões internas das corporações militares não devem ser comentadas publicamente por seus agentes. O ex-comante, no entanto, reforçou que “de qualquer maneira, um policial que acusa o outro sem fundamento e materialidade, joga contra a memória e honra da corporação. Trata-se de uma ação leviana, descomprometida com o bem da instituição, em busca de holofotes em um ano eleitoral”.

“Nesses 33 anos de Polícia Militar, eu honrei a farda e aprendi que a corporação é um importante elemento de coesão social. Um policial precisa ser, acima de tudo, alguém que cuida da lei e da sociedade, não que a transgride para fins de projeção pessoal. O que torna essa profissão incompatível com qualquer tipo de desrespeito com relação ao outro. Acredito que o diálogo é um elemento fundamental para aproximar as pessoas. Nunca me neguei a dialogar na esfera pública de forma democrática e civilizada, como um bom policial deve fazer”, o coronel acrescentou.

Já a PM afirmou que “o referido soldado responde à Comissão de Revisão Disciplinar procedimento interno previsto para avaliar conduta dos integrantes da corporação”.

“A Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, como as demais instituições militares do país, tem como pilares os princípios da hierarquia e disciplina. Vale ressaltar que o rito do procedimento prevê a ampla defesa e o contraditório quanto às imputações de transgressões disciplinares nele contidas. Todas as garantias constitucionais são asseguradas aos integrantes da corporação, oficiais ou praças”, a Polícia Militar acrescentou, em nota.

Veja também

+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ 10 coisas que os pais fazem em público que envergonham os filhos
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Baleia jubarte quase engole duas mulheres em caiaque; veja o vídeo
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel