Geral

Militar é aparentemente único a engajar-se contra violência no Rio, diz general

O comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, criticou nesta sexta-feira, 24, a falta de integração de outros setores da administração pública e da sociedade civil no combate à criminalidade no Rio de Janeiro. Em cerimônia comemorativa ao Dia do Soldado, o general aproveitou seu discurso da Ordem do Dia para fazer o desabafo.

“Passados seis meses, apesar do trabalho intenso de seus responsáveis, da aprovação do povo e de estatísticas que demonstram a diminuição dos níveis de criminalidade, o componente militar é, aparentemente o único a engajar-se na missão”, disse o general.

“Exigem-se soluções de curto prazo, contudo nenhum outro setor dos governos locais empenhou-se com base em medidas socioeconômicas, para modificar os baixos índices de desenvolvimento humano, o que mantém o ambiente propício à proliferação da violência”, completou.

Segundo ele, apesar de todos admitirem que as leis vigentes devam ser modificadas com urgência, “continuamos a proceder com naturalidade em face à barbárie de perder mais de 63.000 vidas por ano”.

Villas Bôas disse que ainda que vivemos uma “era de conflitos e incertezas, na qual os individualismos se exacerbaram e o bem comum foi relegado a segundo plano”. “Perdemos a disciplina social, a noção de autoridade e o respeito às tradições e aos valores, o que nos tornou uma sociedade ideologizada, intolerante e fragmentada. Estamos nos infelicitando, diminuindo nossa autoestima e alterando nossa identidade.”

O general destacou que somos um grande País, mas que “não consegue vislumbrar um projeto para o seu futuro, nem, tampouco, identificar qual o papel a exercer no concerto das nações. Para superar tantos desafios, tornou-se frequente o emprego das Forças Armadas em missões variadas, como as de garantia da lei e da ordem, atendendo prontamente ao chamado de diversas Unidades da Federação”.

Ele lembrou as atuações das Forças no Rio Grande do Norte, no Espírito Santo e, particularmente, no Rio de Janeiro, onde, segundo ele, “a população alarmada deposita esperanças em uma intervenção que muitos, erroneamente, pensam ser militar”.

O comandante do Exército lembrou das mortes dos soldados durante operações no Rio de Janeiro e se queixou do fato de a morte deles não terem tido tanta repercussão como outros casos recentes, numa referência indireta à morte da vereadora Marielle Franco, sem, no entanto, citar o seu nome.

Segundo ele, suas mortes tiveram repercussão restrita, “que nem de longe atingiram a indignação ou a consternação condizente com os heróis que honraram seus compromissos de defender a Pátria e proteger a sociedade”. “Vivemos tempos atípicos. Valorizamos a perda das vidas de uns em detrimento das de outros”, completou.

Ao final de seu discurso, o general disse que é chegada a hora de dizer um basta ao “diversionismo, à radicalização retrógrada e à fragmentação social”. “É preciso que busquemos a união, com espírito público, sacrifício e ética. O Brasil tem pressa para reencontrar sua identidade.”

Veja também

+ Cantora MC Venenosa morre aos 32 anos e família pede ajuda para realizar velório
+ Homem salva cachorro da boca de crocodilo na Flórida
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ Idoso morre após dormir ao volante e capotar veículo em Douradoquara; neto ficou ferido
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel