Mundo

Milhares de pessoas participam de velório de estudante de Hong Kong

Milhares de pessoas participam de velório de estudante de Hong Kong

Milhares de pessoas no Cemitério Po Fook Hill, em Hong Kong, prestam homenagem a Alex Chow, 22 anos, que morreu no mês passado devido a ferimentos na cabeça sofridos durante uma queda em um estacionamento de vários andares, onde a polícia e os manifestantes estavam em conflito - AFP

Milhares de pessoas em Hong Kong compareceram, nesta quinta-feira, ao serviço memorial de um estudante, cuja morte provocou os confrontos violentos em seis meses de protestos por democracia.

Alex Chow, de 22 anos, morreu no mês passado como resultado de ferimentos sofridos na cabeça durante uma queda dentro de um estacionamento de vários andares, onde policiais e manifestantes entraram em confronto.

Embora os eventos que conduziram ao acidente fatal não tenham sido esclarecidos, os manifestantes acreditam que foi causado pela brutalidade policial.

Três dias após a morte de Chow, a polícia disparou contra um manifestante desarmado de 21 anos de idade, o que provocou dias de tumultos que culminaram em intensos confrontos nas universidades.

A violência e o vandalismo diminuíram nas últimas três semanas, depois que os partidos que defendem a democracia conquistaram uma vitória esmagadora nas eleições locais contra os conselheiros locais pró-Pequim.

+ Consulado chinês nos EUA é fechado e provoca nova crise
+ As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

Multidões voltaram às ruas no último domingo, num dia de mobilizações que terminou sem qualquer disparo de gás lacrimogêneo.

Mas Pequim e a chefe do Executivo local, Carrie Lam, não mostraram sinais de que estejam dispostos a fazer mais concessões, o que causa temores de que a violência seja retomada.

Na terça, Lam foi taxativa: “Se uma reivindicação nos obriga a nos afastar da lei (…) eu não poderia aceitar responder a essas demandas com o único objetivo de responder às aspirações da população”, disse.

A emoção era palpável no local onde o serviço memorial de Chow foi realizado nesta quinta-feira à noite, enquanto pessoas formavam filas sinuosas e por horas para dizer um último adeus.

“Existem muitos elementos suspeitos e espero que ele possa finalmente descansar em paz quando a verdade sobre o que aconteceu for revelada”, disse à AFP Joe Cheung, um estudante de 18 anos.

A mídia não teve permissão para entrar no local, mas uma professora que acompanhou o serviço com seu filho disse que a sala memorial foi decorada com flores brancas e fotos de Chow. Havia uma faixa com os caracteres chineses dizendo “Descanse nos braços de Deus”, segundo Macy.

Noticeboards afirmou que o funeral de Chow será realizado na manhã de sexta-feira.

A polícia rejeita qualquer má conduta em relação à morte de Chow, dizendo que seus agentes não estavam perto do local quando ele caiu.

O movimento pró-democracia, que na segunda-feira entrou em seu sexto mês, começou com os protestos contra um projeto de lei que autorizaria as extradições para a China continental.

O texto foi enterrado, mas os manifestantes ampliaram suas reivindicações para pedir mais democracia.

Veja também

+ Luísa Sonza abre jogo sobre comentários machistas que recebe na internet

+ Marcos sai em defesa de Marcelinho e questiona Casagrande: ‘Que democracia é essa?’

+ Tomografia revela que múmias egípcias não são humanas

+ Simaria posa com vestido sensual e arranca suspiros

+ Namorada de Marco Verratti exibe fotos sensuais

+ Lívia Andrade posa de fio dental

+ Google permite ver animais em 3D com realidade aumentada

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?