Esportes

Milan perde a terceira seguida e se aproxima da zona de rebaixamento no Italiano

O Campeonato Italiano está apenas em sua sexta rodada, mas a crise já ronda o Milan. Neste domingo, o time rubro-negro frustrou os seus torcedores que foram ao estádio San Siro, em Milão, que viram a Fiorentina dominar a partida e vencer com facilidade por 3 a 1. Foi a terceira derrota seguida da equipe comandada pelo técnico Marco Giampaolo, que agora ronda a zona de rebaixamento.

Com mais um resultado negativo, o Milan ocupa a 16.ª colocação na tabela de classificação, com seis pontos. Tem apenas um a mais que o Genoa, que abre a zona da degola na 18.ª posição. A Fiorentina, depois de um início ruim de temporada, dá sinais de recuperação e está em nono lugar, com oito pontos.

Mesmo jogando em casa, os anfitriões saíram atrás no placar após um gol de pênalti de Pulgar, aos 14 minutos. Antes disso, a Fiorentina já tinha perdido duas grandes oportunidades com o atacante francês Franck Ribéry, a maior contratação do clube nos últimos anos. Em ambas o goleiro Donnarumma fez a defesa.

Se a situação já não era boa para o Milan, ficou pior quando Musacchio foi expulso aos 10 minutos da etapa final. Aos 21, Castrovilli aumentou a vantagem para a Fiorentina e, 12 minutos depois, Ribéry conseguiu fazer o seu gol para abrir 3 a 0. Aos 35, o português Rafael Leão diminuiu para o Milan, que não teve mais forças para buscar a reação.

Em outro jogo deste domingo, Cagliari e Verona ficaram no empate por 1 a 1, em Cagliari. O time da casa, que havia surpreendido o Napoli no meio de semana com a vitória como visitante, está na sétima colocação com 10 pontos. O de Verona é o 13.º, com seis.

Veja também

+ Entenda como a fase crítica da pandemia de Covid-19 pode ter sido superada em SP
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Ford Ranger supera concorrentes e é líder de vendas
+ Cantora Patricia Marx se assume lésbica aos 46 anos de idade
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior