Cultura

Milan Kundera, autor de “A Insustentável Leveza do Ser”, faz 90 anos

Milan Kundera, autor de “A Insustentável Leveza do Ser”, faz 90 anos

Imagem de 30 de novembro de 2010 de Milan Kundera em Paris - AFP/Arquivos

“Nasci no dia 1º de abril. Não foi algo sem impacto no plano metafísico”, recordou, com a ironia que o caracteriza, durante uma de suas raras entrevistas, o escritor Milan Kundera, que comemora na segunda-feira seu 90º aniversário.

Nascido tcheco, e francês desde 1981, o autor de “A Insustentável Leveza do Ser” (1984), pintor sarcástico da condição humana, não pertence à Academia Francesa, não recebeu o Nobel da Literatura – horarias amplamente merecidas -, mas é um dos maiores autores contemporâneos.

O escritor que foge da mídia, mas que pode ser visto passeando com sua esposa Vera perto da rua Cherche-Midi, no 6º distrito de Paris, não deve comemorar seu aniversário.

Em seu último romance, “A Festa da Insignificância” (2014), um de seus personagens confessa desconfiar dos números que nos remetem à “vergonha do envelhecimento”.

Milan Kundera gosta que falem sobre seu trabalho antes de falar sobre ele. Sua última aparição na televisão remonta a 1984, e sua última entrevista com um jornalista foi em 1986.

Quase invisível, o autor de “A Imortalidade” e “A Vida Está em Outro Lugar” é regularmente vítima de boatos macabros nas redes sociais onde, por diversas vezes, sua morte foi anunciada.

– Não levar o mundo a sério –

Nascido em Brno, na atual República Tcheca, em 1º de abril de 1929, destinado (como seus pais) a uma carreira como músico, Milan Kundera foi, a princípio, um amante da música. Seus primeiros textos, poemas escritos em tcheco, foram compostos como sonatas.

Próximo do regime comunista, Kundera se afastou com rapidez sem, porém, se tornar um dissidente.

Em 2008, uma revista checa exumou um “documento” da polícia comunista de Praga de 1950, sugerindo que o escritor denunciou um de seus concidadãos durante o sombrio período stalinista. Ferido por essas acusações, Milan Kundera não revida.

“Dificilmente perdoamos um homem grande e ilustre. Mas ainda menos, se é silencioso”, escreveu em um artigo publicado pelo Le Monde a dramaturga Yasmina Reza. Escritores como Gabriel Garcia Marquez e Philip Roth saíram em sua defesa.

Quando ainda era tcheco, Milan Kundera publicou dois romances, “A Brincadeira” (1965) e “Risíveis Amores” (1968), textos que fazem um balanço amargo das ilusões políticas da geração do golpe de Praga, que em 1948 permitiu que os comunistas chegassem ao poder.

Kundera, que foi colocado na lista negra em seu país após a Primavera de Praga, exilou-se na França com Vera em 1975. Naturalizado francês em 1981, escolheu o francês como sua língua de escrita para marcar sua ruptura com seu país natal, que em 1978 retirou sua nacionalidade (Praga propôs devolvê-la no ano passado).

Na França, publicou “A Valsa dos Adeuses”, “O Livro do Riso e do Esquecimento” e, em 1984, aquele que alguns consideram sua obra-prima, “A Insustentável Leveza do Ser”, um maravilhoso romance de amor e uma ode à liberdade, ao mesmo tempo grave e casual, cujo tema nada mais é do que a condição humana.

O livro foi adaptado ao cinema em 1988 pelo americano Philip Kaufman, com Juliette Binoche e Daniel Day Lewis.

Analista de seu próprio trabalho, ele assinou notavelmente em 1986 o ensaio “A Arte do Romance”, onde explica que “ao entrar no corpo do romance, a meditação muda a essência. Fora do romance, nos encontramos no campo das afirmações, todo mundo tem certeza de sua palavra: um político, um filósofo, um porteiro… No território do romance, não nos afirmamos: é o território do jogo e das hipóteses”.

Em “A Festa da Insignificância”, o romancista, através da voz de um de seus personagens, continua sua reflexão sobre o padrão de seu trabalho: “Há muito tempo compreendemos que não é possível reverter este mundo, nem para reformular, nem para deter a sua infeliz corrida para a frente. Há apenas uma resistência possível: não levar a sério”.