Em Cartaz

Mia Couto volta ao passado

Em “O Mapeador de Ausências”, o escritor moçambicano retorna à Beira, sua cidade natal, para reviver a infância com o pai

Crédito: Rafael Arbex

MEMÓRIAS Mia Couto: ficção e realidade se confundem em seu novo livro (Crédito: Rafael Arbex)

A literatura de Mia Couto é híbrida: mesmo quando escreve romances, suas obras são marcadas pelo ritmo delicado dos poemas. Seu novo livro, “O Mapeador de Ausências”, não foge ao estilo: por meio de uma narrativa lúdica e repleta de metáforas, o autor viaja ao passado e incorpora elementos de outro gênero: a autobiografia.

Na trama, a história do protagonista se mistura à própria vida de Couto. A começar pelo cenário, a pequena cidade portuária de Beira, em Moçambique, onde Couto nasceu. Seu protagonista, Diogo Santiago, um poeta e professor universitário, volta ao local em 2019 para receber uma homenagem. Lá, é obrigado a enfrentar a ausência do pai, um poeta famoso falecido há pouco tempo. É tudo muito parecido com a trajetória do próprio Mia Couto, filho do renomado jornalista e escritor lusófono Fernando Couto. A forma como os personagens se apresentam ressalta ainda mais o estilo dramático: para o pai, a arte do poeta é “saber desperdiçar oportunidades”; já o filho se define como um “inventor de esquecimentos”. A narrativa alterna memórias e fatos históricos, como o ciclone que causou um grande desastre natural e episódios ligados ao período em que o país africano ainda era colônia de Portugal. Em uma das lembranças, pai e filho visitam o local onde ocorreu um massacre de soldados por tropas portuguesas, pouco antes da independência de Moçambique, 1975.

Divulgação

Histórias da europa oriental

Nascido em Angola e radicado em Portugal, o premiado escritor Gonçalo M. Tavares lança “Bucareste-Budapeste: Budapeste-Bucareste”. Com histórias curtas que se passam em quatro capitais europeias, o autor traça um paralelo entre a vida de pessoas comuns e fatos históricos que mudaram o rumo dos povos de seus respectivos países. Dono de um estilo inconfundível, Tavares desafia os limites da linguagem com uma prosa ácida e original.