Podcast

“Meu primeiro R$ 1 milhão ganhei na bolsa”, diz Didi Aguiar, trader há 41 anos

Crédito: Divulgação

Para Didi Aguiar, com o tempo o investidor aprende a ganhar dinheiro mais facilmente, pois fica velho e tem pressa. “Hoje, meu tempo é extremamente caro, pois ele está acabando” (Crédito: Divulgação)

O convidado do novo episódio do MoneyPlay Podcast, programa voltado para o mundo das finanças e apresentado pelo educador financeiro Fabrício Duarte, é Odir Andrade Aguiar, conhecido no mercado financeiro como Didi Aguiar, trader há 41 anos.

Criador do Didi Index, indicador de análise gráfica de médias móveis, retirado de um gráfico de barras, o engenheiro e administrador de empresas fala sobre ter seu índice utilizado em vários países ainda hoje, experiências no mercado e seus negócios além do mercado financeiro.

>>> Assista aqui o vídeo na íntegra.

Antes de entrar no mercado financeiro, Didi vendeu enciclopédia e carro, além de trabalhar em alfândega. Mas foi como trader que ele se encontrou. “Meu primeiro R$ 1 milhão ganhei na bolsa”, conta. “Estava juntando dinheiro porque não tinha conseguido gastar, só trabalhava.”

Na época em que trabalhava no mercado financeiro ainda não se utilizavam computadores. “Fui um dos primeiros a ter um só pra mim na Tesouraria”, relembra. Ele comprou softwares fora do país e começou a olhar vários gráficos, mas ainda lançava as cotações das ações na mão para poder ver o gráfico na hora do pregão. 

E foram os gráficos que trouxeram a sua fama, graças à criação do Didi Index, hoje utilizado na Alemanha, Japão, Rússia, China, Turquia e Estados Unidos. “Sou um brasileiro que tem um gráfico que roda pelo mundo.”

Hoje, ele diz só fazer coisas que tem vontade. “Se você tem dinheiro, vai fazer o que os outros querem? Por quê? Você é louco?”, questiona. “Se você tem dinheiro é livre até para queimar tudo e virar andarilho.”

Didi acredita que, com o tempo, o investidor aprende a ganhar dinheiro mais facilmente, pois fica mais velho e tem pressa. “Hoje, meu tempo é extremamente caro, pois ele está acabando.”

+Hoje, é possível investir muito cedo, com apenas R$ 20 por mês

+O tempo do mundo real é muito diferente do mercado financeiro

+Quem ganha muito dinheiro opera opções

+No Brasil, falar de dinheiro é mais tabu do que falar de sexo ou drogas

Experiências

Ao todo, Didi passou por 17 crises. “Não é fácil sobreviver, mas nunca vi uma tão violenta quanto essa última, da pandemia de Covid-19”, conta. “Tivemos dois circuit breaker (mecanismo de segurança da bolsa que paralisa as negociações por um período de tempo quando seu principal índice cai mais do que 10%) em um único dia em várias ocasiões. Um grande aprendizado.”

“Em toda crise muita empresa vai para o pepino”, afirma. “A pessoa se lasca quando não aceita a perda e continua achando que vai voltar e recuperar. Ela resolve operar dobrado para se recuperar, então apanha de novo, só que quintuplica a perda e morre.”

O trader tem no currículo até uma passagem com o famoso investidor Naji Nahas. A corretora de um banco onde Didi trabalhava era muito próxima de traders aliados ao empresário, então eram grandes parceiros nas operações. “Foi até bom. Esses grupos tinham um poder desproporcional no mercado, então era mais fácil ganhar dinheiro.”

Outros negócios

Hoje, Didi opera apenas quando vai sair de um papel e entrar em outro ou quando aparece algo interessante, já que também atua em frentes fora do mercado, como um delivery de marijuana nos Estados Unidos, prática legalizada em alguns estados.. “Sou avião na Califórnia, entrego maconha”, explica. 

Também no mercado americano, Didi montou uma plataforma que “fura” legalmente os leilões de automóveis do país. “Vendo carros 20%, 30% mais baratos”, diz. Neste tipo de leilão, pessoas físicas não podem participar, apenas dealers (tipo de intermediário) podem comprar com desconto. 

Na plataforma, o cliente entra, escolhe o carro e a empresa dá o lance por ele. A empresa ganha um percentual médio de 12% do valor do carro, mas alguns chegam a 20%, praticamente sem custos. 

O negócio deu tão certo que já está conquistando compradores de outros países, como República Dominicana, Arábia Saudita e Panamá. “Captamos US$ 15 milhões em uma  primeira rodada e esperamos captar mais US$ 300 milhões na segunda”, afirma. “Em três anos pensamos em fazer o IPO da empresa.”

No Brasil, Didi acaba de montar um fundo de investimentos. Sua missão será indicar qual papel comprar e a que preço e quando sair. Por aqui, ele também investe em terras e condomínios no Nordeste. Ele compra grandes extensões de terras em lugares onde ainda nem há estrada, pois são mais baratas. “Na hora que sobe o valor do metro quadrado, você ganha uma fortuna.”

Foi assim em Itacaré, que valorizou 20 vezes em nove anos. Em São Miguel do Gostoso e Sagi, no Rio Grande do Norte, comprou 1,5 km e 1,3 km de terrenos na praia, respectivamente. Em Sagi, ele está montando um condomínio e, agora, vai vender o que sobrou apenas para pessoas do mercado financeiro. “Vai ter até uma mesa de operações com internet boa.”

Confira aqui todos os episódios do programa.