Mundo

Membros do Grupo de Lima falam com Cuba para buscar solução na Venezuela

Membros do Grupo de Lima falam com Cuba para buscar solução na Venezuela

O embaixador do Peru nos Estados Unidos, Hugo de Zela, candidato a secretário-geral da OEA, fala no centro de estudos Diálogo Interamericano, em 21 de fevereiro de 2020 em Washington DC - AFP

Membros do Grupo de Lima estão em conversações com Cuba para buscar uma solução na Venezuela, disse na sexta-feira (21) o coordenador deste bloco de países americanos, Hugo De Zela.

O diplomata peruano se referiu ao tema, ao informar sobre a nova estratégia do grupo, anunciada na véspera após uma reunião no Canadá, de convocar toda a comunidade internacional para propiciar uma “saída pacífica e democrática” a uma “crise que se deteriora rapidamente” na Venezuela.

“Os esforços do Grupo de Lima serão realizados sem exclusões”, anunciou De Zela durante uma conferência em Washington sobre sua candidatura à secretaria-geral da Organização de Estados Americanos (OEA).

“Acreditamos que cada país pode ajudar. De fato, há três membros do Grupo de Lima falando atualmente com os cubanos para ver se estão dispostos a ajudar”, acrescentou, sem identificar os países.

Fontes diplomáticas disseram à AFP que pelo menos Argentina, Canadá e Peru iniciaram um diálogo com Havana, considerado um aliado-chave do governo venezuelano de Nicolás Maduro.

+ Menina engasga ao comer máscara dentro de nugget do McDonald’s

Consultado se Cuba é parte do problema na Venezuela, De Zela se limitou a destacar: “É parte da situação”.

A Venezuela, governada pelo contestado Maduro, cuja saída é impulsionada por cerca de 50 países por considerar ilegítima sua reeleição em 2018, vive uma crise econômica sem precedentes na história recente da região, que segundo a ONU, levou ao êxodo nos últimos anos 4,7 milhões de pessoas.

De Zela, que impulsionou a criação do Grupo de Lima em 2017, disse que a gravidade do que ocorre na Venezuela causa uma pressão diplomática que inclua a maior quantidade de países possível.

“Chegamos à conclusão de que emitir declarações como as que temos emitido não leva realmente a uma solução. Decidimos, assim, mudar o método”, disse sobre o encontro de quinta celebrada em Gatineau, perto de Ottawa.

Explicou que o objetivo é construir “uma ampla coalizão internacional” sob três ideias principais: que os próprios venezuelanos devem decidir seu futuro, que o restabelecimento pleno da democracia só será alcançado mediante eleições presidenciais livres e que qualquer solução deve ser pacífica.

De Zela, embaixador do Peru nos Estados Unidos, antecipou que prevê convocar em primeiro lugar os países europeus.

O governo canadense não divulgou imediatamente a lista de países que estiveram na reunião de quinta-feira do Grupo de Lima, que além de Peru e Canadá, tem entre seus 12 membros fundadores Brasil, Colômbia, Chile e Costa Rica.

Veja também

+ Caixa libera FGTS emergencial para nascidos em julho nesta segunda-feira (10)

+ Em acidente com Opala antigo, criança de quatro anos morre e outras quatro ficam feridas em acidente na RS-389

+ Daniel Alves é destaque entre os melhores jogadores do mundo

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Patrick Estrela, de Bob Esponja, vai ganhar série própria

+ Sylvester Stallone coloca seu Cadillac Escalade personalizado à venda; confira!

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Carol Nakamura anuncia terceira prótese: ‘Senti falta de seios maiores’

+ Ex-Ken humano, Jéssica Alves exibe visual e web critica: ‘Tá deformada’

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?