Melhor Jair se acostumando

Melhor Jair se acostumando

O problema do Brasil não é a popularidade de Bolsonaro. O problema é a razão pela qual ele é popular. Sejamos sinceros, se 40% dos brasileiros gostam de Jair Bolsonaro, o problema não é ele: o problema é o Brasil.

É verdade que o discurso do Presidente na abertura da sessão de bodas de diamante da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas foi considerado “delirante” e confrangedor por muitas organizações ambientais, mas também é verdade que depois desse discurso a sua popularidade tocou a níveis nunca antes navegados.

A fatia da população que considera o governo ótimo ou bom é de 40% – 11 pontos a mais do que em dezembro de 2019, antes de a covid ter começado a cloriquinar o mundo.

Para compreender isto é preciso compreender que não há apenas um Brasil, mas sim muitos. Muitos Brasis, muito diferentes, que não curtem uns dos outros. Que têm entre si problemas de identidade cultural, de desconformidade social, de abuso policial… de ordem transcendental.

Problemas de desconfiança histórica e rácica. Muito antigos e enraizados nos conflitos latentes de uma história ainda muito recente.

Claro que samba, futebol e carnaval unem todos os brasileiros e até podemos dizer que existe, notadamente naqueles que vivem no exterior, uma emoção partilhada e uma certa ideia de Brasil único. Mas na sociedade brasileira existirá realmente uma partilha transversal de valores, uma visão comum do mundo e do futuro?

Voltemos à popularidade do Presidente.  Se você é uma daquelas (ou daqueles) que acha que ele é um escroto, pense bem… Num dos momentos mais trágicos e difíceis de sempre — com covid, desvalorização da moeda, anorexia económica e crise generalizada, porque é que ele é tão popular?

Elementar meu caro Watson. Pura matemática. Se no dia em que a gente fica sabendo que Bolsonaro filho paga 70% menos por um apartamento, Bolsonaro pai consegue 40% mais de popularidade. É só fazer a conta.

É 110 % possível! Melhor mesmo é Jair se acostumando.

Veja também

+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial

+ Pudim japonês não tem leite condensado; aprenda a fazer

+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"

+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por desconto de até 50% na parcela

+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ O processo de formação como obra

+ Arte e algoritmo: Uma genealogia

+ Radicalmente vivo


Sobre o autor

José Manuel Diogo é autor, colunista, empreendedor e key note speaker; especialista internacional em media intelligence,  gestão de informações, comunicação estratégica e lobby. Diretor do Global Media Group e membro do Observatório Político Português e da Câmara de Comércio e Indústria Luso Brasileira. Colunista regular na imprensa portuguesa há mais de 15 anos, mantém coluna no Jornal de Notícias e no Diário de Coimbra. É ainda autor do blog espumadosdias.com. Pai de dois filhos, vive sempre com um pé em cada lado do oceano Atlântico, entre São Paulo e Lisboa, Luanda, Londres e Amsterdã.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.