Cultura

Melbourne é eleita a melhor cidade do mundo para viver

SYDNEY, 17 AGO (ANSA) – Pelo sétimo ano seguido, Melbourne, na Austrália, foi eleita pela revista “The Economist” como a melhor cidade para morar. Anualmente a revista inglesa avalia e ranqueia 140 cidades do mundo com os melhores índices para se viver. Melbourne esteve entre as três melhores desde que a pesquisa começou, em 2006.   

+ Mourão, sobre ser vice de Bolsonaro em 2022: ‘Estou trabalhando para isso’

As outras duas cidades que completam o top 3 da lista são Viena, na Áustria, e Vancouver, no Canadá. Além de Melbourne, a Austrália possui mais duas cidades nas 10 primeiras colocações, Adelaide (6º) e Perth (7º).   

Devido à alta qualidade de vida, Melbourne recebe cada vez mais moradores. Estima-se que, até 2030, a cidade supere Sydney e se torne a mais populosa da Austrália.(ANSA)

Veja também

+ Ford anuncia local e investimento de US$ 700 milhões em fábrica que criará F-150 elétrico

+ RJ: tráfico promete caçar quem gravou equipe do Bravo da Rocinha: ‘Vai morrer’

+ Vídeo mostra o incrível salto de moto de Tom Cruise para o novo ‘Missão Impossível’

+ TikTok será proibido nos EUA a partir deste domingo (20)

+ Churrasco: Dicas de como limpar a grelha de uma forma fácil

+ Vídeo de Anitta é o quarto mais visto no YouTube dos EUA

+ Hubble mostra nova imagem de Júpiter e sua lua Europa

+ Após morte de cachorro, Gabriela Pugliesi adota nova cadela

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea