Geral

Médico defensor da cloroquina admite que medicamento não reduz mortalidade da Covid-19

Crédito: AFP/Arquivos

(Arquivo) O médico francês Didier Raoult (Crédito: AFP/Arquivos)


O médico francês Didier Raoult, um dos principais defensores da hidroxicloroquina para o tratamento da Covid-19, mudou de posição e admitiu pela primeira vez que o medicamento não reduz a mortalidade da doença. As informações foram publicadas no site do Centro Nacional de Informações sobre Biotecnologia, da França, e divulgadas pelo jornal Le Figaro.

“As necessidades de oxigenoterapia, a transferência para UTI e o óbito não diferiram significativamente entre os pacientes que receberam hidroxicloroquina com ou sem azitromicina e os controles feitos apenas com tratamento padrão”, disse Raoult.

Apesar de mudar de posição, o médico disse que, no entanto, o tempo de internação dos pacientes tratados com hidroxicloroquina foi menor. O presidente Jair Bolsonaro é um grande defensor do uso do medicamento e incentiva o uso no tratamento contra a Covid-19.

Raoult divulgou em março de 2020 um estudo que comprovava a eficácia hidroxicloroquina no tratamento do novo coronavírus, mas foi criticado pela Organização Mundial da Saúde e virou alvo de investigação do Conselho Nacional da Ordem dos Médicos, da França.

 

 

Veja também
+Deolane Bezerra, viúva de MC Kevin, revela que fez cirurgia na vagina
+ Vídeos mostram pessoas preparando saladas com Cheetos no TikTok
+ Mulher e filho de Schumacher falam sobre saúde do ex-piloto
+ Carvão “gourmet” que não suja as mãos vira meme nas rede sociais; ouça
+ Mãe encontra filho de 2 anos morto com bilhete ao lado ao chegar em casa
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago