Geral

MEC propõe limite de oportunidade para fazer Revalida

A matéria teve correção de grafia no 2º parágrafo. Segue texto:

O Ministério da Educação quer que médicos formados no Exterior tenham um limite de oportunidades para fazer a prova de validação de diploma, conhecido como Revalida. Pela proposta da pasta, a prova deixaria de ser subsidiada e poderia ser realizada por um número máximo de vezes.

“Quem não passou, não passou. Tchau. Pindura na parede o diploma e apresenta para os amigos”, afirmou o ministro da Educação, Abrahm Weintraub. Hoje, não há limite de oportunidades para a realização da prova. O ministro participa de uma audiência pública para discutir a MP que prevê a criação do Médicos pelo Brasil, programa que deverá substituir o Mais Médicos.

Pela proposta, os exames do Revalida, poderiam ser feitos duas vezes ao ano e seriam cobrados dos candidatos. “O Estado brasileiro quebrou. Não tem mais condição de fazer cortesia”, disse o ministro. Pelos cálculos do MEC, o gasto com o exame chegam a R$ 6 mil por candidato. Desde 2017, o Revalida não é realizado. Weintraub atribuiu a demora na realização do exame justamente à falta de recursos.

A proposta do MEC é de que o exame de validação do diploma seja descentralizado e possa ser ofertado tanto por instituições públicas quanto particulares. A ideia é de que apenas instituições bem avaliadas possam realizar o exame de validação. A estratégia, disse, poderia até mesmo promover uma concorrência entre as universidades que vão aplicar a prova.

Veja também

+ Paçoquita lança versão sorvete de massa
+ Cartucho de videogame do Super Mario Bros. é leiloado por US$ 114 mil e quebra recorde
+ Hackers brasileiros roubaram dados de clientes em 12 bancos
+ Jovem pede delivery e encontra dedo humano em esfirra
+ Usado: Toyota Corolla é carro para ficar longe da oficina
+ Veja 7 incríveis casas na natureza para sonhar
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior