ROMA, 13 JUN (ANSA) – O chef italiano Massimo Bottura, que será responsável por preparar duas refeições para os líderes presentes na Cúpula do G7, em Borgo Egnazia, na região da Puglia, incluiu caranguejo azul em seu cardápio.   

O anúncio foi feito pela Confcooperativa-Fedagripesca nesta quinta-feira (13), primeiro dia da reunião que recebe os chefes de Estado e governo de Estados Unidos, Reino Unido, Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão e União Europeia.   

Segundo os produtores italianos de mariscos, o caranguejo azul vai se tornar um ingrediente gourmet em uma sopa de peixe acompanhada de mexilhões, lingueirão e camarão vermelho, em uma viagem gastronômica com o tema “Venha para a Itália comigo”.   

“Infelizmente não estarão na mesa as nossas amêijoas, exterminadas pelo caranguejo azul, mas esperamos que a valorização deste ‘assassino’ do ponto de vista gastronômico num contexto internacional tão importante possa abrir as portas de exportações”, comenta o vice-presidente da Confcooperativa-Fedagripesca, Paolo Tiozzo.   

A associação lembra que, ao contrário do que acontece em outras partes do mundo, na Itália, o caranguejo azul não deu origem a um verdadeiro negócio. Para os operadores do pescado, esta espécie é três vezes um símbolo de desperdício alimentar, porque já destruiu 70% a 100% das explorações e tem um rendimento na cozinha de apenas 15%, onde só se aproveita a polpa.   

“Os pescadores são obrigados a jogar fora 90% dos exemplares que capturam ganhando no máximo 1,50 [euro] o quilo. Os exemplares menores, não menos perigosos para a produção de pescado, infelizmente não são exigidos pelo mercado nacional”, concluiu Tiozzo.   

Em nota oficial, o G7 destaca que as delegações internacionais terão a oportunidade de saborear a comida e o vinho italianos que os levarão a um verdadeiro passeio pela a Itália.   

“As matérias-primas têm simplesmente de desempenhar o papel principal: o objetivo da nossa cozinha é dar destaque ao trabalho heroico dos agricultores, pescadores e produtores, e não satisfazer os egos dos chefs”, explicou Bottura.   

O menu pretende representar “a riqueza cultural e a biodiversidade” do país e é inspirado em todas as regiões italianas, segundo a organização da cúpula.   

Um dos menus oferecerá pão e tomate da Campânia, seguido de sopa de peixe do Adriático ao estilo da lagoa e um risoto de caranguejo azul com robalo e frutas cítricas representando a Sardenha.   

Outro prato será inspirado na Sicília, com bacalhau ao molho de azeitonas verdes Nocellara, alcaparras Pantelleria e molho de anchova Cetara. A sobremesa será uma homenagem ao Sul, com torta de limão de Sorrento, bergamota da Calábria e amêndoas de Noto.   

O segundo dia começará com um prato inspirado no famoso pesto da Ligúria, seguido de lasanha à bolonhesa e tortellini com creme de Parmigiano Reggiano, em homenagem a Modena.   

Na sequência, haverá um prato de carne piemontesa, Fassona servido com molho Barolo e trufa negra de verão da Úmbria. A viagem gastronômica culminará no Trentino-Alto Ádige com uma sobremesa de frutos vermelhos com leite e creme de baunilha aromatizado com manjericão. Ambos os menus serão acompanhados por baguetes com azeite virgem extra de Peranza e pães de massa fermentada de Matera. (ANSA).