Ediçao Da Semana

Nº 2742 - 12/08/22 Leia mais

O Museu de Arte de São Paulo (Masp) cancelou o evento de lançamento do livro “Sem Medo do Futuro”, de autoria de Guilherme Boulos (PSOL), pré-candidato a deputado federal. O museu alega que seu estatuto proíbe “manifestações de caráter político”, segundo a editora Contracorrente.

Em nota nas redes sociais nesta segunda-feira, 2, a Contracorrente classificou o cancelamento como “um grave atentado à liberdade de expressão”. “Para nossa surpresa, o museu, quatro dias antes de evento, recusou-se a alugar o auditório para a Editora Contracorrente, sob o argumento de que é ‘uma instituição privada sem fins lucrativos, independente e isenta’, cujo estatuto proíbe a realização de quaisquer manifestações de caráter político”, afirmou a editora.

A equipe da editora afirma já ter realizado visitas técnicas, avaliado o espaço, assinado contrato e iniciado a divulgação do lançamento, marcado para esta quarta-feira, 4. “A confusão esclarece que, também a direção do MASP, ou alguém nela, tem posição: o obscurantismo e a intolerância”, afirmou a Contracorrente.

Ao Estadão, Boulos lamentou o cancelamento pelo Masp. “É lamentável que uma instituição tão importante para a cultura brasileira volte atrás no lançamento de um livro. Pior ainda que isso aconteça em meio à escalada do autoritarismo bolsonarista”, disse.

Em nota, o Masp afirmou que o lançamento precisou ser cancelado por não está de acordo com o “Artigo 2, Parágrafo Terceiro do estatuto social do museu que diz que a ‘vedação à realização de quaisquer manifestações de caráter político e/ou religioso’, impossibilitando que o museu atue como sede de qualquer tipo de evento relacionado a esses temas”.