Esportes

Martinelli revela ansiedade antes de estreia no Fluminense: ‘Sempre dá aquele frio na barriga’

Com apenas 19 anos, meia atribui facilidade em jogo com os profissionais à semelhança de esquema com o sub-23: 'A maneira que as equipes jogam é parecida'

Martinelli revela ansiedade antes de estreia no Fluminense: ‘Sempre dá aquele frio na barriga’

Após fazer sua estreia no profissional do Fluminense, Martinelli concedeu sua primeira entrevista coletiva e falou sobre a noite especial no Maracanã. Treinando com os profissionais desde junho, o meia, enfim, recebeu sua oportunidade no time titular e revelou um ‘frio na barriga’ antes da partida contra o Bragantino.

– Quando eu recebi a notícia fiquei muito feliz, mas sempre dá aquele frio na barriga diante de uma estreia no Maracanã. Os jogadores, todos da comissão, me passaram confiança. O próprio Odair, me chamou, disse para eu ir tranquilo e me deixou bastante confortável para jogar – disse Martinelli.

CONFIRA A TABELA DO BRASILEIRÃO

Martinelli destacou também o fato da equipe principal do Fluminense ter um esquema de jogo semelhante ao do time de aspirantes, onde vinha atuando. O meia valorizou a importância do time sub-23 no clube.

– É um projeto muito importante (time de aspirantes). Ele acaba dando rodagem, volume de jogo e isso é muito bom para o atleta. A maneira que as equipes jogam é parecida, sempre com a bola, isso facilita bastante a transição do sub-23 para o profissional – finalizou o jogador.


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

Confira outras respostas de Martinelli:

Oportunidade contra o Bragantino
– Estou aqui para ajudar o Fluminense, sei que a oportunidade vai chegar mais vezes como chegou agora. Sou um cara muito tranquilo e estou com a cabeça tranquila. Vou continuar trabalhando, a oportunidade vai chegar de novo e eu tenho que estar preparado para responder a altura.

Importância do Sub-23
– Acho muito importante essa transição, né? Da base ao profissional. É um degrau alto, então é bom ter etapas. O jogador vai criando confiança, vai ficando mais tranquilo para estrear no profissional. Tenho minha cabeça muito tranquila, sei que tenho evoluído bastante, tenho trabalhado muito. A oportunidade vai chegar mais vezes e eu pretendo estar sempre pronto para ajudar a equipe.

Esperança por uma vaga no time titular
– A gente tem que ter a cabeça tranquila, sabemos que somos jovens e temos que aprender muito ainda com os mais experientes. Sempre passam muitas dicas pra gente. Temos que ter a cabeça no lugar, saber que vai chegar nossa hora e estar pronto. Quando for necessitado, aproveitar a oportunidade.

Facilidade de jogar ao lado dos companheiros da base
– Facilita bastante, a gente sempre brinca um com o outro, temos muita intimidade. Quando ficaram sabendo que eu iria estrear, eles vieram e me confortaram, passaram tranquilidade. Quando entramos em campo o Marcos Paulo veio e falou comigo para fazer o mesmo da base. Isso acaba ajudando bastante. O André é um cara que eu faço dupla há muito tempo, a gente se conhece bem. A gente já conhece um o movimento do outro. Espero jogar ainda muitas vezes com eles.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel