Esportes

Marinho participa dos últimos 7 gols e lidera a artilharia do Santos em 2020

O período em que as competições ficaram paralisadas em função da pandemia do coronavírus pode ter feito bem a Marinho. Com tempo maior para se recuperar de uma fratura no pé esquerdo, sofrida logo na primeira rodada do Campeonato Paulista, o atacante tem se destacado pelo Santos, a ponto de ter assumido a artilharia da equipe na temporada e de estar envolvido nos últimos sete gols do time.

Tudo bem diferente do início de ano que Marinho viveu. Afinal, o atacante precisou ser substituído durante o segundo tempo do 0 a 0 com o Red Bull Bragantino, em 23 de janeiro, por causa da grave lesão no pé. E ficou fora dos 11 jogos seguintes que o time fez, até os torneios pararem.

Recuperado, fez o seu retorno durante o primeiro jogo do Santos na volta do futebol, o empate por 1 a 1 com o Santo André. Depois disso, não saiu mais do time. Marinho marcou cinco gols nas cinco partidas seguintes, todas como titular. E quando não foi às redes, deu dois passes decisivos para os companheiros marcarem, ambos no último fim de semana.

Assim, soma cinco gols marcados em sete partidas disputadas na temporada. E disparou na artilharia do time em 2020 – Arthur Gomes, Raniel, Eduardo Sasha, que se transferiu para o Atlético Mineiro, e Soteldo, são os jogadores que estão mais perto, cada um com dois gols marcados.

A ótima média de gols – 0,71 por jogo – de Marinho é bem maior do que a de 2019, seu primeiro ano no Santos, quando fez oito gols em 28 partidas – 0,29. Ficara, assim, em quinto lugar na lista de artilheiros do clube na temporada passada, empatado com Derlis Gonzalez e atrás de Carlos Sánchez (19), Sasha (14), Soteldo (12) e Jean Mota (10).

Marinho, porém, nega que o Santos seja dependente do seu futebol em 2020 e, principalmente, na retomada das competições. Mas admite viver grande momento, apontando que se preparou bem durante o período de paralisação do futebol.

“Sei que perdi muitos jogos no início do ano por conta da fratura no pé, mas me preparei bastante durante a quarentena e nos treinos após o retorno, e as coisas têm acontecido devido ao trabalho. Já estava satisfeito em dar assistências para os meus companheiros, mas fazer gol é muito gostoso também. Tomara que as coisas continuem acontecendo, mas o mais importante é saber que nosso elenco está unido. Temos uma longa temporada pela frente e sabemos que a força do grupo sempre vai prevalecer”, disse, ao site oficial do Santos.

No domingo, Marinho deu a assistência para os dois primeiros gols do Santos e ainda marcou o terceiro do triunfo por 3 a 1 sobre o Internacional, o primeiro do time no Brasileirão e desde que o futebol foi retomado. Ele acredita que o resultado deixa o time mais seguro para encarar o Sport, quinta-feira, na Ilha do Retiro.

“Após o retorno da quarentena a gente ainda não tinha vencido, e nos questionávamos muito aqui dentro sobre isso, pois sabemos que temos uma boa equipe. E essa vitória estava faltando para gente dar um ânimo a mais. Creio que o triunfo de domingo serve para gente começar a ter mais tranquilidade na hora de tomar as decisões e para os jovens do elenco também, que começaram a ter oportunidades agora e nada como começar a jogar vindo de vitória”, afirmou.

Veja também

+ Confira 4 dicas para descobrir se o mel é falsificado

+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"

+ MG: Pastor é preso por crime sexual e alega que caiu em tentação

+ App permite testar melhor design de sobrancelhas para você

+ Microsoft Edge recebe nova funcionalidade para aumentar velocidade de carregamento

+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por desconto de até 50% na parcela

+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

+Vídeo mostra puma perseguindo um corredor em trilha nos EUA

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar