Geral

Marginal Pinheiros reabre ciclofaixa

A ciclofaixa da Marginal Pinheiros foi reaberta na segunda-feira, 3, após quase três meses fechada, nos quais passou recebeu melhorias e modernização. A revitalização teve apoio do Banco Santander e da Sabesp e foi conduzida pela empresa Farah Services, atual gestora da ciclofaixa.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

No fim da tarde, o movimento de bicicletas era tranquilo no trecho da ciclofaixa com acesso pela ponte Cidade Universitária. Segundo Sandra Mendes, que controla a entrada dos ciclistas por ali, 123 pessoas o procuraram no período da manhã – e depois o número de interessados foi diminuindo ao longo do dia.

Frequentadores assíduos da ciclofaixa se disseram contentes com a reabertura. É o caso do engenheiro Flávio Aquino, 30 anos. Ele afirma que estava bastante ansioso por não poder fazer exercícios físicos ao ar livre “É mais uma oportunidade de fazer atividade física. Como é um espaço ao ar livre, é o que eu precisava.”

Quem também aproveitou para se exercitar foi o desempregado Wagner Kanno, 47, que nem sabia que a ciclovia estava fechada e decidiu colocar a bicicleta na rua. “A galera que sempre treinou aqui vai achar ótimo que a ciclovia está aberta”.

Em coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes na semana passada, o secretário dos Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy, disse que a CPTM buscou um parceiro privado para gerir a ciclofaixa e, no início do ano, fechou um acordo com prazo de 36 meses para que a Farah Services cuide do local, com investimento de R$ 6 milhões no período – R$ 2,2 milhões já foram investidos.

“A CPTM promoverá uma economia de aproximadamente R$ 5,5 milhões, os quais vamos investir naquilo que é a nossa diretriz: o transporte de passageiros”, informou o secretário. Já foram feitas melhorias como novas sinalizações de pontos, placas de orientações, guaritas de alvenaria com banheiro e ar-condicionado.

O asfalto mais danificado foi refeito e foram retiradas as lombadas para dar acessibilidade às bicicletas adaptadas – as hand bikes. “As próximas melhorias serão a implementação de pontos de apoio, sanitários acessíveis, novas sinalizações e iluminação noturna, para que a ciclovia possa ficar disponível aos usuários até mais tarde”, disse Baldy. Ainda segundo o secretário, seguranças estarão na ciclovia durante seu período de funcionamento, de 5h30 às 18h30.

Na estação Vila Olímpia da CPTM também foi instalada uma área de apoio aos ciclistas, com banheiros masculino e feminino e outro adaptado para pessoas com deficiência. Também foram reformados os 12 banheiros ao longo da ciclovia.

Devido ao andamento do plano de melhorias da ciclofaixa, parte do trecho na Marginal leste ficará interditada na região da Ponte Euzébio Matoso até dia 14 de agosto. Os ciclistas poderão acessar o local pela passarela da Cidade Universitária, ir até o Jaguaré e voltar ou acessar pelo Parque do Povo ou Vila Olímpia e ir até a Ponte Euzébio Matoso.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Veja também

+Após ficar internada, mulher descobre traição da mãe com seu marido: ‘Agora estão casados’

+ Por decisão judicial, Ciro Gomes tem imóvel penhorado em processo com Collor

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea