Comportamento

Mar sem fim

Famílias fogem da rotina e do isolamento social e abraçam uma nova tendência: a compra de barcos. Em 2020, o setor cresceu 25%

Crédito: Lucas Correia

EMPREENDIMENTO O médico André Bradley: construção customizada do próprio veleiro (Crédito: Lucas Correia)

O médico André Bradley não tem uma vida profissional fácil, sobretudo agora nesses tempos de pandemia. Apaixonado por navegação, ele viu no mar uma maneira de aliviar a tensão da rotina que mantém nos centros cirúrgicos e unidades de tratamento intensivo. Minucioso no trabalho como cirurgião pediátriaco e no lazer, Bradley decidiu, após se aventurar em barcos menores, comprar um projeto de engenharia naval e assim ver o seu veleiro oceânico ser construído desde a fundação. “Pensei que gastaria cerca de R$ 500 mil, mas as coisas saíram de controle e gastei quase R$ 1 milhão”, diz. Como mora em Curitiba, no Paraná, toda a construção do modelo Explorer 39, com mais de nove toneladas, se deu em Santa Catarina, onde a embarcação reside na Marina de Itajaí. “Disparada”, como foi batizado, deve ter um longo futuro. “Ele ficou pronto há três meses e ainda não deu para passear muito, mas tenho planos. Quero explorar o litoral de Santa Catarina e ir até Recife”.

SONHO Emerson Rodrigues: finalmente, o primeiro barco (Crédito:GABRIEL REIS)

A pandemia da Covid-19 aqueceu as compras de barcos e assanhou a curiosidade no setor. Bradley é só um exemplo. Em 2020, o crescimento dos negócios com embarcações de todos os portes foi de mais de 25%. E agora houve a entrada de um público novo. Segundo Luis Henrique Ferreira, diretor Comercial da Okean Yachts, ocorreu uma importante mudança no perfil dos compradores. “Se antes essas pessoas não usavam os barcos com tanta frequência, agora a pandemia retirou quase todas as possibilidades de lazer e o mar foi o melhor refúgio”.

A brincadeira custa a partir de R$ 100 mil, mas pode chegar fácil aos R$ 50 milhões, e o mercado de embarcações seminovas também está aquecido. Foi assim que depois de anos alugando lanchas nos finais de semana, o comerciante Émerson Rodrigues de 31 anos, comprou um barco. O Starfly é uma lancha modelo cigarret de 36 pés. Morador do Guarujá, litoral de São Paulo, Rodrigues disse que realizou um sonho: “Comprei para poder fugir da rotina. Com tudo fechado a gente consegue ter um lazer especial com a família. Ganhei qualidade de vida.” O comerciante, depois de quatro meses de aquisição, já quer trocar de embarcação: “Gostei muito e vou comprar uma maior.”