Brasil

Mansueto e Mendes explicam PEC do Teto a deputados e usam tom duro para críticas

Os estudos que apontam perdas bilionárias para o setor de saúde por causa da aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241, conhecida como PEC do Teto, estão errados, afirmou nesta quarta-feira, 5, o chefe da Assessoria Especial do Ministério da Fazenda, Marcos Mendes. “Acabei de receber mais um, e ele também está errado”, disse, durante reunião da Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados.

Em comum, esses estudos são feitos por entidades representativas da área da saúde e calculam quanto o governo deixará de aplicar no setor nos próximos anos, supondo taxas de crescimento da economia na faixa dos 4% e taxas de inflação na casa dos 5%. Premissas que, segundo o secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda, Mansueto Almeida, não se concretizarão. “A economia decresceu 7% nos últimos dois anos, como é que agora vai crescer 5%?”, questionou.

Os dois assessores do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, usaram um tom bastante duro para rebater críticas da oposição ao projeto, que procurou caracterizar a proposta da emenda como uma medida contrária aos pobres e aos mais necessitados. “Não existe essa dicotomia entre os economistas cortando gastos porque são sádicos, e os bons do outro lado” , disse Mendes.

“Pelo amor de Deus, vamos ler a PEC”, impacientou-se Mansueto diante de discursos que apontavam cortes em programas sociais que, na verdade, não serão atingidos. “Prouni é renúncia de receita, está fora do teto. Fies é despesa financeira, não é atingida. Fundeb não entra na PEC.”

Mansueto afirmou que não há corte em programas sociais e ressaltou que o Bolsa Família teve reajuste superior a 10% este ano, depois de dois anos congelado. “Me mandem a lista dos programas sociais cortados”, desafiou.


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

A um argumento que gasto com saúde é vida, Marcos Mendes respondeu que emprego também é vida. E que entre os mais pobres, a taxa de desemprego chega a 20% enquanto para o topo ela está em 1%. Os 12 milhões de desempregados, disse ele, são resultado da crise econômica. “Não vivemos uma marolinha. Batemos na parede. Chegamos, como diz o deputado Darcísio Perondi, ao dia do juízo fiscal. Perondi é o relator da PEC do Teto.

Mansueto, Mendes e Perondi passarão a tarde de hoje dialogando sobre a PEC com bancadas na Câmara.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Boletim médico de apresentador da RedeTV! indica novo sangramento no cérebro
+ Yamaha se despede da SR 400 após 43 anos de produção
+ Cientista desvenda mistério do monstro do Lago Ness. Descubra!
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel