Esportes

Mano vê Cruzeiro sem inspiração em derrota, ataca arbitragem e pode ser punido

O fim da sequência de seis jogos sem derrota do Cruzeiro no Campeonato Brasileiro chegou ao fim no último domingo, com o triunfo por 2 a 0 do Botafogo no Mineirão, no que o técnico Mano Menezes classificou como um dia ruim da sua equipe. Sem individualizar as suas críticas, o treinador avaliou que faltou inspiração ao time, especialmente no setor ofensivo, que pouco criou oportunidades claras de gol. Para ele, a marcação também deu espaços para o adversário na etapa final, o que acabou se transformando em gols.

“Não dá para separar o sistema defensivo do ofensivo. Não fomos bem como equipe, fizemos um jogo abaixo, tivemos dificuldade para encontrar soluções, para um time que propôs uma marcação mais baixa. Não estávamos inspirados, às vezes encontrávamos caminho errado, principalmente no primeiro tempo, quando tivemos no lado esquerdo mais espaço e poderíamos ter mostrado isso em jogadas mais claras para fazer o jogo. No segundo tempo, precipitamos em termos de posicionamento, tivemos pouca pressão em cima dos volantes, nós abrimos um pouco o jogo e, em função disso, na retomada de bola, a gente deu muita saída para o Botafogo por dentro. Isso sobrecarregou nossos volantes de contenção e deu oportunidade para os jogadores do Botafogo receberem a bola”, declarou.

Mano também criticou bastante a arbitragem de Rafael Traci. Para o treinador, as marcações e os cartões aplicados pelo juiz, como o que foi recebido por Ábila, enervaram o seu time. Além disso, na sua avaliação, o gol marcado pelo atacante argentino foi mal anulado, o que acabou sendo decisivo para o tropeço.

“Teve algo determinante para o jogo, e acho que foram as falhas da arbitragem. Elas foram visíveis. Tirou a tranquilidade da nossa equipe. A gente fez um gol legal, a gente tomou um segundo gol em uma falta que absolutamente não houve. Eles cobraram rápido e fizeram o gol. Aí você soma: um menos para cá, um a mais para lá, e aí já temos uma condição diferente. Precisamos ficar atentos neste momento, acho que a gente merece alguém mais experiente, mais rodado, que saiba trabalhar em um nível de tensão mais alto. As coisas merecem ser analisadas tranquilamente, e hoje me parece que elas não foram. O Ábila foi reclamar de um lance em que não houve falta, e ele deu cartão amarelo. Já cria uma tensão. Depois fizemos o gol, estava difícil o jogo, e a interpretação de novo é contra. A interpretação foi em relação a quem não fez o gol, que foi o Lucas. Somando tudo isso, foi um dia ruim”, concluiu.

As reclamações de Mano, aliás, foram registradas pela arbitragem na súmula do jogo, o que pode, inclusive, lhe render uma punição. De acordo com Traci, após o duelo, o treinador do Cruzeiro o chamou de “sem vergonha”. Já o árbitro assistente Bruno Boschilia foi classificado como “bandeira de escolinha”.

Derrotado, o Cruzeiro está em 14º lugar no Brasileirão, com 29 pontos, a apenas dois da zona de rebaixamento. O time volta a jogar na próxima quinta-feira, quando vai encarar o São Paulo, no Morumbi, pela 25ª rodada.