Mundo

Manifestantes protestam em Hong Kong contra lei de extradição

HONG KONG, 12 JUN (ANSA) – Milhares de pessoas tomaram as ruas de Hong Kong nesta quarta-feira (12) para protestar contra um projeto de lei que prevê a extradição de suspeitos de crimes para a China continental. O polêmico projeto de lei seria debatido hoje no Parlamento, mas foi adiado para “uma data posterior”, informou a presidência do Legislativo. A expectativa é de que a votação ocorra no próximo dia 20 de junho. O grupo, em sua maioria jovens, se reuniu inicialmente em um parque próximo à sede do governo, onde foram registrados confrontos com a polícia após manifestantes invadirem o prédio.   

As autoridades dispararam balas de borracha e gás lacrimogêneo contra a multidão, que bloqueou as duas principais avenidas do centro. Centenas de empresas se mobilizaram nas redes sociais, com a hashtag que pode ser traduzida como “#greve1206”.   

Além disso, em uma atitude incomum, diversos estabelecimentos comerciais de Hong Kong fecharam as portas para seus funcionários protestarem. Os atos estão sendo realizados desde o último final de semana e foram em grande parte pacíficos. No entanto, nesta quarta, as manifestações se intensificaram. O comissário de polícia Stephen Lo Wai-chung descreveu os confrontos como “tumultos”, puníveis com 10 anos de prisão, de acordo com o jornal “South China Morning Post”.   

O texto começou a ser debatido em fevereiro e, desde então, tem sido alvo de críticas. Associações de direitos humanos defendem que a lei servirá para perseguir dissidentes políticos em Hong Kong e violar sua independência judiciária, expondo cidadãos do território ao sistema jurídico da China.   

Os apoiadores do projeto, no entanto, dizem que haverá garantias para impedir que pessoas expostas a perseguições religiosas ou políticas sejam extraditadas. A lei também valerá para Macau e Taiwan. (ANSA)