Major Olimpio: ‘Bolsonaro disse impropérios, eu disse outros, e nunca mais falamos’

Crédito: GABRIEL REIS

Senador Major Olimpio (Crédito: GABRIEL REIS)

Em conversa com a coluna, o senador Major Olimpio (PSL-SP) explicou por que não fala mais com seu ex-aliado Jair Bolsonaro. Confira trechos da entrevista.

O senhor era amigo de Bolsonaro. Por que romperam?
No dia 20 de agosto de 2019, eu discutia ao telefone com o senador Flávio, por conta da CPI da Lava Toga. Ele queria que eu retirasse a assinatura da CPI. O presidente tomou o telefone da mão do filho e me falou impropérios. Eu lhe disse outros e nunca mais falamos.

O presidente queria proteger o filho de ações no STF?
Claramente. Cinco dias antes, Bolsonaro me pediu que eu saísse do grupo Muda Senado, pois eles queriam prejudicar o Flávio. De repente, começou a falar mal do Moro, dizendo que ele era “cintura de aço”, não queria demitir o superintendente da PF no Rio. Bolsonaro tinha ciúmes de Moro, porque o ministro era mais popular do que ele.

Veja também

+ Neto de Elvis Presley é encontrado morto, diz site
+ Gafanhotos: cidade na Bahia enfrenta invasão de insetos
+ Usado: Toyota Corolla é carro para ficar longe da oficina
+ Cientistas localizam o centro do Sistema Solar — e advinhem, não é o Sol
+ Filho de David Beckham fica noivo de atriz filha de bilionário
+ Royal Enfield Interceptor 650 a moto mais vendida no Reino Unido
+ A “primavera das bikes” pós-pandemia vai chegar ao Brasil?
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.